Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Consumo de álcool na rua deixa de ser proibido

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 23 set 2021 (Lusa) -- O Governo aprovou hoje o fim da limitação da venda e consumo de álcool e dos limites em matéria de horários que tinham sido impostos devido à pandemia de covid-19.

O fim dos limites em matéria de horários e da limitação à venda e consumo de álcool acontece a partir de 01 de outubro, segundo o comunicado divulgado após a reunião do Conselho de Ministros, no qual o Governo aprovou a terceira fase de desconfinamento no âmbito da pandemia de covid-19.

A venda de bebidas alcoólicas é atualmente proibida em áreas de serviço ou em postos de abastecimento de combustíveis, enquanto o consumo de álcool é proibido em espaços ao ar livre de acesso ao público e vias públicas, excetuando-se as esplanadas abertas dos estabelecimentos de restauração e similares devidamente licenciados para o efeito.

O consumo de bebidas alcoólicas na rua é proibido desde o início da pandemia, em março de 2020, e esta tem sido a contraordenação mais levantada pelas forças de segurança no âmbito das medidas restritivas.

O primeiro-ministro anunciou hoje que a evolução positiva do país no controlo da covid-19 vai permitir que passe da atual situação de contingencia para alerta a partir de 01 de outubro.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.938 pessoas de covid-19 e foram contabilizados 1.064.876 casos de infeção, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

CMP // ZO

Lusa/fim

+ notícias: País

Mais 16 infeções de 'monkeypox' confirmadas, elevando para 74 o número de casos em Portugal

Mais 16 casos de 'monkeypox' foram confirmados em Portugal, elevando para 74 o número total de infeções, adiantou hoje a Direção-Geral da Saúde, informando que a situação clínica de todos os doentes é estável.

Diretor da unidade de urgência do São João alerta para a situação de atraso que Portugal se encontra no que diz respeito à medicina de urgência

O Diretor da unidade de gestão de urgência e medicina intensiva, Nelson Pereira, falou ao Porto Canal no dia em que se assinala a medicina de urgência e emergência e, alertou para a situação de atraso que Portugal se encontra no que diz respeito à medicina de urgência. Segundo apurou o Porto Canal, Portugal é o país da União Europeia com maior taxa de procura pelos serviços de urgência e face a estes números, Nelson Pereira, referiu que já que se assinala este dia a nível internacional é importante chamar atenção de toda a realidade para que entidades responsáveis, como "a ordem dos médicos e o governo", possam resolver e ultrapassar este problema. 

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - JN North Festival