Covid-19: Governo acaba com recomendação do teletrabalho

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 23 set 2021 (Lusa) -- O Conselho de Ministros decidiu hoje acabar com a recomendação da opção pelo teletrabalho e eliminar a testagem em locais de trabalho com mais de 150 trabalhadores.

Estas medidas integram a terceira e última fase do plano de desconfinamento que vai entrar em vigor a partir de 01 de outubro, data em que o país deixa de estar em estado de contingência para passar a situação de alerta.

Em agosto já tinha sido dado um passo no sentido da redução do recurso ao teletrabalho, com o Governo a decidir que esta modalidade deixava de ser obrigatória nos concelhos de maior risco passando apenas a ser recomendada em todo o território continental.

Entre as várias medidas que entram em vigor em 01 de outubro estão ainda o fim da necessidade de teste negativo ou certificado digital nas aulas de grupo em ginásio, na restauração e hotéis e alojamentos turísticos.

Estabelecimentos comerciais, eventos culturais e familiares deixam também de ter limites na lotação eliminando-se ainda a exigência de limite máximo de pessoas por grupo nos restaurantes e afins, seja no interior ou na esplanada.

O conjunto de medidas para vigorarem a partir de 01 de outubro determina ainda o fim dos limites em matéria de horários -- com os estabelecimentos a terem de observar aqueles para os quais estão licenciados -- e da limitação à venda e consumo de álcool.

Na conferência de imprensa realizada no final do Conselho de Ministros, o primeiro-ministro, António Costa, fez questão de sublinhar que o país vai entrar numa fase em que deixa de estar condicionado por restrições impostas por lei, para entrar numa etapa que assenta essencialmente na responsabilidade de cada pessoa.

É que, referiu, apesar de poder ser considerada como controlada, a pandemia não acabou, além de que o calendário avança para uma época mais fria, em que as infeções respiratórias são mais comuns.

LT // JNM

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Marcelo Rebelo de Sousa: "A responsabilidade pelos membros do Governo é do primeiro-ministro"

Marcelo Rebelo de Sousa, pronunciou-se em relação à revogação do despacho do Ministro das Infraestruturas Pedro Nuno Santos e, entre a sua breve declaração aos jornalistas, disse que "a responsabilidade pelos membros do Governo é do primeiro-ministro". 

Marcelo: "Despacho revogado. É preciso uma solução clara, consistente e consensual o mais rápido possível"

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, foi o último a pronunciar-se relativamente à decisão de Pedro Nuno Santos na passada quarta-feira. Em declarações aos jornalistas na tarde desta quinta-feira, Marcelo Rebelo de Sousa, afirmou que perante um "despacho revogado" é preciso encontrar "uma solução clara, consistente e consensual o mais rápido possível" para que os "portugueses entendam que esta matéria tem futuro".

Joaquim Miranda Sarmento anuncia candidatura à liderança do grupo parlamentar

O deputado e economista Joaquim Miranda Sarmento anunciou hoje que é candidato à liderança do grupo parlamentar do PSD, dizendo querer "contribuir para a união" do partido.