Covid-19: Governo acaba com recomendação do teletrabalho

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 23 set 2021 (Lusa) -- O Conselho de Ministros decidiu hoje acabar com a recomendação da opção pelo teletrabalho e eliminar a testagem em locais de trabalho com mais de 150 trabalhadores.

Estas medidas integram a terceira e última fase do plano de desconfinamento que vai entrar em vigor a partir de 01 de outubro, data em que o país deixa de estar em estado de contingência para passar a situação de alerta.

Em agosto já tinha sido dado um passo no sentido da redução do recurso ao teletrabalho, com o Governo a decidir que esta modalidade deixava de ser obrigatória nos concelhos de maior risco passando apenas a ser recomendada em todo o território continental.

Entre as várias medidas que entram em vigor em 01 de outubro estão ainda o fim da necessidade de teste negativo ou certificado digital nas aulas de grupo em ginásio, na restauração e hotéis e alojamentos turísticos.

Estabelecimentos comerciais, eventos culturais e familiares deixam também de ter limites na lotação eliminando-se ainda a exigência de limite máximo de pessoas por grupo nos restaurantes e afins, seja no interior ou na esplanada.

O conjunto de medidas para vigorarem a partir de 01 de outubro determina ainda o fim dos limites em matéria de horários -- com os estabelecimentos a terem de observar aqueles para os quais estão licenciados -- e da limitação à venda e consumo de álcool.

Na conferência de imprensa realizada no final do Conselho de Ministros, o primeiro-ministro, António Costa, fez questão de sublinhar que o país vai entrar numa fase em que deixa de estar condicionado por restrições impostas por lei, para entrar numa etapa que assenta essencialmente na responsabilidade de cada pessoa.

É que, referiu, apesar de poder ser considerada como controlada, a pandemia não acabou, além de que o calendário avança para uma época mais fria, em que as infeções respiratórias são mais comuns.

LT // JNM

Lusa/Fim

+ notícias: Política

TAP. António Costa e Medina devem pedir “desculpa” aos portugueses, diz Montenegro

O presidente do PSD, Luís Montenegro, considerou esta segunda-feira que o primeiro-ministro e o ministro das Finanças devem pedir “desculpa aos portugueses" por “terem injetado mais de três mil milhões de euros” na TAP.

Exames finais no ensino secundário são para manter, garante Marcelo Rebelo de Sousa

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, garantiu ao final da tarde desta segunda-feira que o Governo vai manter os exames finais no ensino secundário.

Marta Temido é a nova presidente da concelhia do PS de Lisboa

Marta Temido é a nova presidente da comissão política da concelhia de Lisboa do Partido Socialista. Segundo avançou a ‘CNN Portugal’, a ex-ministra da Saúde assume o cargo que anteriormente era assegurado por Davide Amado.