Comissão nos EUA desaconselha 3.ª vacina da Pfizer a maiores de 16 anos

Comissão nos EUA desaconselha 3.ª vacina da Pfizer a maiores de 16 anos
| País
Porto Canal com Lusa

Uma comissão consultiva da agência reguladora dos EUA para os medicamentos e a alimentação (FDA, na sigla em Inglês) pronunciou-se hoje contra a aplicação de uma terceira dose da vacina Pfizer para pessoas com 16 anos ou mais.

Esta opinião é considerada como um revés para o governo do presidente Joe Biden, depois de a Casa Branca ter anunciado a intenção de promover a vacinação de todos os cidadãos que tivessem recebido a sua segunda dose há oito meses, na condição de a FDA o aprovar.

Os técnicos daquela comissão estimaram que uma terceira dose poderia justificar-se para uma faixa etária mais restrita, a das pessoas idosas.

Numa votação posterior, a comissão pronunciou-se a favor de uma terceira dose da vacina Pfizer contra a covid-19 para pessoas com 65 anos ou mais, bem como para pessoas com alto risco de desenvolver uma forma grave da doença.

Esta dose de reforço é recomendada pelos especialistas norte-americanos a partir de seis meses após a segunda dose.

Os especialistas deliberaram ainda, após um dia de discussões, que os profissionais de saúde também deveriam ser incluídos entre essas pessoas de "alto risco".

A recomendação para esta terceira dose, enquadra-se no contexto de uma autorização de emergência, especificaram, segundo a AFP.

As recomendações da comissão não são vinculativas, mas muito raramente não são seguidas pela FDA.

Durante a votação, a maioria destes técnicos - investigadores, epidemiologistas, especialistas em doenças infecciosas - pronunciou-se contra uma campanha de vacinação para a população em geral, por 16 votos, contra apenas dois.

Entre os seus argumentos estiveram as inquietações com os riscos de miocardite, uma inflamação do músculo cardíaco, entre os jovens adolescentes e adultos masculinos.

Não ficou claro, imediatamente após o voto, se os técnicos iriam votar de novo, neste caso sobre faixas etárias diferentes.

A covid-19 provocou pelo menos 4.667.150 mortes em todo o mundo, entre mais de 226,96 milhões de infeções pelo novo coronavírus registadas desde o início da pandemia, segundo o mais recente balanço da agência France-Presse.

Em Portugal, desde março de 2020, morreram 17.895 pessoas e foram contabilizados 1.007.911 casos de infeção confirmados, segundo dados da Direção-Geral da Saúde.

A doença respiratória é provocada pelo coronavírus SARS-CoV-2, detetado no final de 2019 em Wuhan, cidade do centro da China, e atualmente com variantes identificadas em países como o Reino Unido, Índia, África do Sul, Brasil ou Peru.

+ notícias: País

Defesa de Vale e Azevedo recorre para o Tribunal Constitucional contra contumácia

A defesa de João Vale e Azevedo recorreu para o Tribunal Constitucional (TC) para contestar a declaração de contumácia que recai sobre o antigo presidente do Benfica, desde setembro de 2022, por não ter sido notificado para julgamento.

Manuel Magina da Silva reconduzido no cargo de diretor nacional da PSP

O Governo reconduziu no cargo o diretor nacional da Polícia de Segurança Pública (PSP), superintendente-chefe Manuel Magina da Silva, anunciou esta quinta-feira o Ministério da Administração Interna (MAI).

JMJ. Valor do altar-palco "magoa todos", disse o Bispo Américo Aguiar

O presidente da Fundação Jornada Mundial da Juventude (JMJ) Lisboa 2023 disse esta quinta-feira que o valor (superior a quatro milhões de euros) do altar-palco onde o Papa vai celebrar a missa final "magoa todos", admitindo eventuais correções se necessárias.