Info

Acordo de Livre Comércio em África pode resvalar para junho - secretário-geral

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Acra, 04 dez 2020 (Lusa) -- O secretário-geral do Acordo de Livre Comércio em África (AfCFTA, na sigla em inglês) admitiu hoje que a implementação do acordo pode ser atrasada durante seis meses para as negociações entre os chefes de Estado ficarem concluídas.

"O que acordámos é que aquilo que não ficar decidido até 1 de janeiro será debatido durante mais ou menos seis meses. Os chefes de Estado vão acordar essa extensão, mas vamos começar a liberalizar 81% das nossas trocas comerciais a partir de 1 de janeiro", disse Wankele Mene.

Na intervenção feita durante o terceiro Fórum Empresarial do AfCFTA, o responsável admitiu que o processo de integração do comércio africano vai demorar décadas, mas considerou que isso é normal tendo em conta a ambição do acordo.

"Daqui a 15 anos teremos completamente liberalizado 97% das nossas trocas comerciais, em formato 'duty free', parece muito tempo, mas não é, é muito pouco tempo", acrescentou, explicando que o objetivo é que dentro de algumas décadas os países africanos consigam reformar significativamente a capacidade produtiva.

"A produção interna e a criação em África de cadeias de valor acrescentado vai demorar algum tempo, o grande objetivo é que daqui a 30 ou 40 anos África esteja preparada para o desenvolvimento industrial, mas temos de começar nalgum lado, e a definição das regras de origem é um aspeto muito importante para, a longo prazo, nos posicionarmos na vanguarda da capacidade produtiva", disse Wankele Mene.

Exemplificando com a pandemia de covid-19, o secretário-geral vincou que "a meta é que aquilo que os países hoje importam para combater a pandemia, como o gel, o desinfetante, as máscaras e o equipamento de proteção possa ser produzido em África" e que os países deste continente possam "fazer uma indústria de medicamentos genéricos para os africanos terem acesso a medicação que é produzida no seu continente para combater as pandemias que havemos de ter no futuro".

Na mesma sessão, o antigo presidente do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD) Donald Kaberuka salientou que o AcFCTA abrange muito mais aspetos do que apenas a isenção de tarifas.

"Isto é muito mais lato do que as tarifas, tem a ver com a criação de um mercado único, o movimento de pessoas e capitais, o sistema de pagamentos e a harmonização do investimento", concluiu Kaberuka.

O tratado de livre comércio estava previsto entrar em vigor já este ano, mas foi adiado para o princípio de 2021 devido à pandemia de covid-19. Abrangendo um mercado de 1,3 mil milhões de pessoas e 3,4 biliões de dólares.

Os países africanos apenas transacionam entre si 15% das suas exportações, um valor que compara com os mais de 60% dos países da União Europeia, por exemplo.

"Aumentar o volume de trocas intrarregionais seria o equivalente a manter em África 36 a 43 mil milhões de dólares", ou seja, 29,6 a 35,3 mil milhões de euros, apontou a representante da União Africana no debate que decorreu hoje em formato virtual.

MBA // JH

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Pandemia já matou pelo menos 4,09 milhões de pessoas no mundo

A pandemia de covid-19 matou, até hoje, pelo menos 4.093.263 pessoas no mundo desde o final de dezembro de 2019, segundo um levantamento realizado pela agência de notícias francesa AFP com base em fontes oficiais.

Quatro portugueses detidos em Espanha por suposta violação de duas mulheres

Redação, 24 jul 2021 (Lusa) -- A polícia espanhola anunciou ter detido hoje quatro cidadãos portugueses por suposta violação múltipla e abusos sexuais a duas mulheres de 22 e 23 anos, numa pensão em Gijón, no norte do país.

Polícia moçambicana detém militares em ajuntamento a beberem álcool e armados

Maputo, 24 jul 2021 (Lusa) -- A polícia moçambicana deteve na sexta-feira militares que bebiam álcool armados e fardados na cidade de Pemba, norte do país, num aglomerado, à noite, violando as medidas de prevenção de covid-19, anunciaram hoje as autoridades.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.