Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Detidos 39 malauianos por imigração ilegal no sul de Moçambique

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Inhambane, Moçambique, 28 jul 2020 (Lusa) -- Um total de 39 cidadãos malauianos, entre os quais dois bebés com menos de um ano, foram detidos hoje por imigração ilegal em Inhambane, no sul de Moçambique, disse à Lusa fonte das autoridades de migração moçambicanas.

"Eles viajavam num autocarro de passageiros que saía de Tete com destino a Maputo", disse Rosângela Vilanculo, porta-voz da direção de migração em Inhambane.

Os 39 malauianos, dos quais 22 homens, 15 mulheres e dois bebés, foram interpelados no posto de controlo policial de Lindela, no distrito de Jangamo, naquela província, avançou a porta-voz.

O grupo, que terá entrado ilegalmente no país através da província de Tete, no centro de Moçambique, vai ser reencaminhado pelas autoridades de regresso ao Maláui.

A empresa transportadora deverá responsabilizar-se "pelas despesas de transporte, alimentação e alojamento até ao destino final", referiu Vilanculo.

Segundo as autoridades, o motorista do autocarro não sabia que se tratava de pessoas em situação ilegal, principalmente porque falavam uma língua parecida com a que é falada localmente na província de Tete, de onde partiram.

As autoridades aconselham as transportadoras para que "no ato de embarque de passageiros solicitem sempre [a presença] das autoridades migratórias de modo a que se afira da legalidade dos cidadãos para prevenir casos do género", apelou Rosângela Vilanculo.

No dia 16 deste mês, as autoridades moçambicanas detiveram 15 cidadãos etíopes, por imigração ilegal, na província de Tete.

Na mesma província, em março, a polícia moçambicana encontrou 64 pessoas mortas num contentor, transportados num camião.

Segundo as autoridades, as mortes terão acontecido por asfixia e as vítimas eram imigrantes ilegais, de diferentes países (incluindo a Etiópia), que atravessaram a fronteira do Maláui para Moçambique.

Moçambique tem 56 postos de travessia fronteiriça, dos quais 24 foram encerrados na sequência do estado de emergência em vigor desde 01 de abril devido à pandemia provocada pelo novo coronavírus.

O país regista um total de 1.720 casos positivos de covid-19, 11 óbitos e 602 recuperados, indicam as autoridades de saúde.

LFO // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Governo vai receber combustível da Polónia e apela à Europa para ajudar

A ministra do Desenvolvimento Económico da Ucrânia, Yulia Swyrydenko, anunciou hoje que a Polónia vai fornecer ao seu país 25.000 toneladas de combustível, referindo que o Governo está a lutar para equilibrar o mercado e retomar as exportações. 

"A ajuda da Polónia vai contribuir para estabilizar significativamente a situação no mercado de combustíveis", disse a ministra, citada pela agência de notícias polaca PAP, depois de se ter reunido, em Kiev, com a sua homóloga do país vizinho, Anna Moskva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras