Guerra na Ucrânia - Clique aqui e veja os pontos essenciais
Info

Covid-19: Brasil regista 921 óbitos em 24 horas e aproxima-se das 90 mil vítimas mortais

| Mundo
Porto Canal com Lusa

São Paulo, 28 jul 2020 (Lusa) -- O Brasil registou 921 mortes associadas à covid-19 nas últimas 24 horas, totalizando agora 88.539 óbitos desde 12 de março, quando foi notificada a primeira vítima mortal da doença no país, anunciou hoje o Ministério da Saúde.

Segundo o Governo brasileiro, as secretarias de saúde estaduais reportaram também 40.816 casos do novo coronavírus no último dia.

Este número elevou o total de infeções confirmadas para 2.483.191, sendo que o primeiro caso no Brasil foi registado oficialmente em 26 de fevereiro.

O executivo adiantou que 1.721.560 pessoas já são consideradas recuperadas da doença, enquanto 673.092 permanecem em acompanhamento.

Um estudo serológico hoje divulgado e realizado pela prefeitura de São Paulo naquela que é a maior cidade do Brasil, com quase 12 milhões de habitantes, aponta que cerca de 1,32 milhões de pessoas possuem anticorpos para covid-19.

A percentagem de pessoas assintomáticas entre as que apresentaram positivo nos testes ao novo coronavírus foi de 39,7%, segundo as autoridades locais.

A investigação também revela que as pessoas pobres estão no grupo das mais infetadas.

"O vírus está a dar luzes sobre a desigualdade que temos na cidade de São Paulo. É quatro vezes maior a incidência do coronavírus na classe D do que na classe A. Ou seja, quem é mais pobre tem mais chance de contrair o vírus", explicou o prefeito de São Paulo, Bruno Covas, numa conferência de imprensa.

Os investigadores envolvidos neste estudo, profissionais da área da saúde, visitaram 5.760 domicílios e testaram 2.328 pessoas.

Nessa amostra, a taxa de prevalência da infeção por SARS-COV-2 em São Paulo é de 11,1%.

A pandemia de covid-19 já provocou mais de 654 mil mortos e infetou mais de 16,5 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

Depois de a Europa ter sucedido à China como centro da pandemia em fevereiro, o continente americano é agora o que tem mais casos confirmados e mais mortes.

CYR // SR

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Putin ameaça com ataques "relâmpago" em caso de intromissão estrangeira

O Presidente russo, Vladimir Putin, ameaçou hoje que responderá com um ataque "relâmpago" a qualquer ingerência estrangeira na Ucrânia, onde está há dois meses em curso uma guerra desencadeada pela invasão do exército russo.

Pelo menos nove civis mortos por bombardeamentos russos no leste e sul da Ucrânia

Pelo menos nove civis morreram hoje na sequência de bombardeamentos do exército russo no leste e sul da Ucrânia, anunciaram as autoridades locais. De acordo com informações do governador da região de Lugansk (leste da Ucrânia), Sergey Gadai, três civis morreram debaixo de escombros de um prédio atingido por um bombardeamento na cidade de Popasna, para onde tinham fugido a fim de, segundo a mesma fonte, "se proteger de mísseis russos".

Um outro bombardeamento, que atingiu a cidade de Kharkiv (também no leste), a segunda maior da Ucrânia, matou três pessoas e deixou sete feridas, duas delas com gravidade, anunciou o governador regional, Oleg Synegoubov, apelando aos moradores para terem "muito cuidado e, se possível, não saírem dos abrigos".

Outros dois civis foram mortos e seis ficaram feridos na região de Donetsk, segundo o governador, Pavlo Kyrylenko.

Governo vai receber combustível da Polónia e apela à Europa para ajudar

A ministra do Desenvolvimento Económico da Ucrânia, Yulia Swyrydenko, anunciou hoje que a Polónia vai fornecer ao seu país 25.000 toneladas de combustível, referindo que o Governo está a lutar para equilibrar o mercado e retomar as exportações. 

"A ajuda da Polónia vai contribuir para estabilizar significativamente a situação no mercado de combustíveis", disse a ministra, citada pela agência de notícias polaca PAP, depois de se ter reunido, em Kiev, com a sua homóloga do país vizinho, Anna Moskva.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Festivais - Soam as guitarras