Info

Executivo é "de continuidade" e "reforçado politicamente" - António Costa

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 15 out 2019 (Lusa) - O primeiro-ministro indigitado, António Costa, considerou hoje que a equipa do XXII Governo Constitucional que propôs ao Presidente da República e que este aceitou constitui um executivo "de continuidade" e "reforçado politicamente".

"Trata-se de um Governo coeso, de continuidade, naturalmente, relativamente ao Governo que ainda está em funções, e no qual procurámos reforçar o centro do Governo", declarou António Costa aos jornalistas, no Palácio de Belém, em Lisboa, em Lisboa, logo após a divulgação do novo elenco governamental.

O secretário-geral do PS e primeiro-ministro indigitado referiu que "esta legislatura terá um período muito exigente", com a presidência portuguesa do Conselho da União Europeia.

Por outro lado, António Costa salientou "a criação de dois ministérios de natureza transversal: o Ministério do Planeamento e o Ministério da Modernização do Estado e da Administração Pública" e "a autonomização também do Ministério da Coesão Territorial".

"O atual Governo teve uma remodelação profunda há cerca de um ano e, naturalmente, este Governo apresenta-se como na continuidade daquilo que foi a governação anterior. Agora em melhores condições, mais reforçado politicamente, tendo em conta os resultados eleitorais, mas naturalmente numa lógica de continuidade", reforçou.

Antes de falar aos jornalistas, António Costa esteve reunido com o Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, durante cerca de meia hora.

O primeiro-ministro indigitado chegou ao Palácio de Belém pelas 18:28, trazendo uma pasta de documentos branca debaixo do braço, que depois, no início da reunião com o chefe de Estado, colocou em cima da mesa.

IEL // JPS

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Covid-19: António Costa considera "repugnante" declaração de Ministro das Finanças holandês

António Costa voltou a carregar nas críticas às declarações do Ministro das Finanças holandês que defendeu que a comissão europeia devia investigar países, como Espanha sobre a falta de margem orçamental para fazer face à Covid-19. O Primeiro Ministro diz que ou a União Europeia faz o que tem a fazer ou acabará.

Costa ataca. "Ou a União Europeia faz o que tem a fazer ou acabará"

O primeiro-ministro advertiu hoje que a União Europeia corre o risco de acabar se não enfrentar corretamente os efeitos económicos e sociais da pandemia da covid-19, sublinhando que "a prioridade das prioridades é salvar vidas".

Covid-19: Governo aprova suspensão até setembro de créditos à habitação e de empresas

 O Governo aprovou hoje a suspensão até setembro do pagamento de créditos à habitação e de créditos de empresas, para famílias e empresas com quebra de rendimentos pela crise provocada pelo surto de covid-19.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS