Info

Oposição pede suspensão ou renúncia do autarca de Barcelos

| Política
Porto Canal com Lusa

Os partidos da oposição na Assembleia Municipal de Barcelos pediram esta quinta-feira a suspensão do mandato ou a renúncia do presidente da Câmara (PS), que está em prisão domiciliária no âmbito da operação Teia.

Atualizado 29-06-2019 12:38

O Bloco de Esquerda pediu mesmo eleições autárquicas intercalares.

A bancada socialista, por seu lado, pediu respeito pelo princípio da presunção da inocência, disse que a Câmara mantém “normalidade de gestão”, manifestou-se convicta de que o presidente da Câmara “mostrará cabalmente a sua inocência” e saberá a cada momento “avaliar a situação” em defesa dos “superiores interesses” do concelho.

O presidente da Câmara de Barcelos, Miguel Costa Gomes, está desde 03 de junho em prisão domiciliária, com pulseira eletrónica, indiciado pelos crimes de corrupção passiva e prevaricação.

Está também proibido de contactar com os funcionários do município.

Pediu, entretanto, a sua substituição por um período de 29 dias.

Na sessão de hoje da Assembleia Municipal, o PSD, através do deputado Adélio Miranda, disse que “é impossível” governar um concelho com a dimensão a partir de casa, pelo que apelou a Costa Gomes para suspender ou abdicar do mandato.

“Se o não fizer, está a prejudicar gravemente Barcelos”, referiu.

O movimento independente Barcelos, Terra de Futuro (BTF) defendeu que “a melhor solução” é a renúncia ao mandato por parte de Costa Gomes, “ou, na pior das hipóteses, a suspensão por tempo indeterminado”.

Para o BTF, caso Costa Gomes não se afaste, o PS deve retirar-lhe a confiança política.

Já o CDS-PP considerou que Costa Gomes deve, “pelo menos”, suspender o mandato. “Enquanto se mantiver este estado de coisas [prisão domiciliária], não tem condições para exercer o mandato”, referiu o democrata-cristão Firmino Silva.

Mais contundente foi o Bloco de Esquerda (BE), que apelou à renúncia do mandato e à convocação de eleições intercalares.

O bloquista José Maria Cardoso disse que a Câmara não pode ser gerida “com comando à distância, por controlo remoto, a partir de casa de família”.

“Vamos a eleições”, desafiou, sublinhando que esta é a solução “mais democrática e mais adequada para “tirar o concelho do anedotário nacional”.

A defesa do presidente da Câmara esteve a cargo do PS, que sublinhou que Costa Gomes não é suspeito de receber dinheiro, jantares ou viagens, mas apenas “apoio político”.

Manuel Mota, da bancada socialista, disse ainda que o autarca “mostrará cabalmente a sua inocência” e acusou a oposição de querer “subverter a escolha democrática dos barcelenses”.

A operação Teia, segundo um comunicado da Polícia Judiciária (PJ), centra-se nas autarquias de Santo Tirso e Barcelos e Instituto Português de Oncologia do Porto e relaciona-se com “a existência de um esquema generalizado, mediante a atuação concertada de autarcas e organismos públicos, de viciação fraudulenta de procedimentos concursais e de ajuste direto, com o objetivo de favorecer primacialmente grupos de empresas, contratação de recursos humanos e utilização de meios públicos com vista à satisfação de interesses de natureza particular”.

Para Manuel Mota, o presidente da Câmara de Barcelos “não está envolvido em nenhuma” daquelas situações.

Na operação Teia, além de Costa Gomes, são ainda arguidos o entretanto demissionário presidente da Câmara de Santo Tirso, Joaquim Couto, que ficou em liberdade mediante o pagamento de uma caução de 40 mil euros, e a mulher, a empresária Manuela Couto, que ficou em prisão domiciliária.

O outro arguido é o ex-presidente do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto Laranja Pontes, que também ficou em liberdade mediante caução de 20 mil euros, e com suspensão das funções que exercia.

Laranja Pontes passou, entretanto, à situação de reforma.

+ notícias: Política

António Saraiva afirma que provavelmente não vai ser possível aumentar o salário mínimo nos valores da legislatura anterior

António Saraiva, presidente do Conselho Geral e da Direção da CIP, afirma que se os valores do crescimento continuarem iguais ao da legislatura anterior "provavelmente não é possível" aumentar o salário mínimo.

Vila Real e Bragança são dos distritos com mais eleitores 'fantasma'

Há mais 796 mil eleitores em Portugal do que pessoas habilitadas a votar e é em Vila Real, nos Açores e em Bragança que há mais eleitores quase fantasma. A emigração pode ser uma das razões.

António Saraiva defende acordo na Concertação Social para aumentar competitividade e melhorar salários

António Saraiva, presidente do Conselho Geral e da Direção da CIP, defende um acordo na Concertação Social para aumentar competitividade e melhorar salários mas "não em aumentos abruptos que algumas empresas mais frágeis não suportem".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Porto Legends - The Underground...