Info

Bruxelas lança consulta pública para fixar pescas para 2019

| Economia
Porto Canal com Lusa

Bruxelas, 11 jun (Lusa) -- A Comissão Europeia lançou hoje uma consulta pública através da internet sobre a fixação das oportunidades de pesca para o próximo ano, quando a obrigação de desembarque de todo o peixe capturado entra totalmente em vigor.

"Muitos dos nossos 'stocks' (unidades populacionais) estão a regressar a níveis sustentáveis e 2019 será um ano crucial para atingirmos os nossos objetivos comuns", disse, em comunicado o comissário europeu para as Pescas, Karmenu Vella.

Para tal, salientou, todos os interessados têm que colaborar para que se mantenham altas as ambições para os oceanos, apelando à participação de pescadores, indústria, sociedade civil e autoridades nacionais na consulta.

A Comissão Europeia tem como objetivo chegar-se a um rendimento máximo sustentável (MSY, na sigla inglesa) das unidades populacionais até 2020.

Segundo Bruxelas, nas águas do norte e ocidentais tem havido progressos significativos no sentido da sustentabilidade das pescas, tendo os níveis de biomassa subido em média 39% de 2003 para 2016.

Em 2019, entra totalmente em vigor a obrigação de desembarque de todas as capturas, que a Comissão Europeia considera uma decisão chave no sentido da sustentabilidade.

IG // ATR

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Frente Comum marca greve nacional da função pública para dia 15 de fevereiro

Os sindicatos da Frente Comum da Administração Pública decidiram marcar uma greve nacional para o dia 15 de fevereiro, anunciou Ana Avoila no final de um plenário realizado esta terça-feira em Lisboa.

Que inflação se pode esperar para 2019?

Água, luz, combustíveis e transportes. Foram os bens essenciais que mais sofreram com a inflação. Os portugueses dizem ter sentido isso na carteira e 2019 pode seguir o mesmo trajeto.

Hóspedes, dormidas e proveitos cresceram em Portugal em novembro de 2018

O número de hóspedes em Portugal aumentou 6,3% em novembro, para 1,3 milhões, enquanto as dormidas avançaram 4,6%, para 3,3 milhões, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), que registou também subidas nos proveitos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS