Info

Bruxelas corta fundo das pescas para 6,14 mil ME no orçamento 2021-2027

| Economia
Porto Canal com Lusa

Estrasburgo, França, 12 jun (Lusa) -- A Comissão Europeia propôs hoje a inscrição de uma verba de 6,14 mil milhões de euros no orçamento plurianual 2021-2027 para o setor das pescas, abaixo dos 6,5 mil milhões do quadro em vigor.

A dotação hoje proposta para o Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas (FEAMP) prevê a simplificação dos apoios à pesca e à economia marítima na União Europeia (UE), atribuindo particular importância ao apoio aos pequenos pescadores costeiros, cujos navios tenham comprimento inferior a 12 metros, os quais representam metade dos postos de trabalho europeus no setor das pescas.

Segundo um comunicado, desde a reforma da política comum das pescas de 2014, têm-se realizado progressos na reposição das unidades populacionais de peixes em níveis saudáveis, no aumento da rendibilidade do setor das pescas da UE e na conservação dos ecossistemas marinhos.

No que respeita à economia marítima, o fundo marítimo permitirá o investimento em novos mercados, serviços e tecnologias marítimos, como a energia oceânica e a biotecnologia marinha.

As comunidades costeiras receberão apoio para a criação de parcerias locais e para transferências de tecnologia em todos os setores da economia azul, incluindo a aquicultura e o turismo costeiro.

A proposta do FEAMP para 2021-2027 prevê uma simplificação e maior flexibilidade para os Estados-membros, que passam a poder orientar o apoio para as suas prioridades, e uma melhor orientação do apoio para o cumprimento dos objetivos da política comum das pescas.

IG // ATR

Lusa/fim

+ notícias: Economia

Frente Comum marca greve nacional da função pública para dia 15 de fevereiro

Os sindicatos da Frente Comum da Administração Pública decidiram marcar uma greve nacional para o dia 15 de fevereiro, anunciou Ana Avoila no final de um plenário realizado esta terça-feira em Lisboa.

Que inflação se pode esperar para 2019?

Água, luz, combustíveis e transportes. Foram os bens essenciais que mais sofreram com a inflação. Os portugueses dizem ter sentido isso na carteira e 2019 pode seguir o mesmo trajeto.

Hóspedes, dormidas e proveitos cresceram em Portugal em novembro de 2018

O número de hóspedes em Portugal aumentou 6,3% em novembro, para 1,3 milhões, enquanto as dormidas avançaram 4,6%, para 3,3 milhões, segundo o Instituto Nacional de Estatística (INE), que registou também subidas nos proveitos.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS