Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Inspeção-Geral da Saúde vai averiguar contágio em Cascais

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 21 abr (Lusa) -- A Inspeção-Geral das Atividades em Saúde (IGAS) vai iniciar uma averiguação sobre os casos de contágio de sarampo no Hospital de Cascais, anunciou hoje o ministro da Saúde.

Adalberto Campos Fernandes falava aos jornalistas à margem da cerimónia que assinala a colocação de equipamentos rádios Sistema Integrado de Redes de Emergência e Segurança de Portugal (SIRESP) no Hospital de Santa Maria, onde disse ter falado com a inspetora-geral das Atividades em Saúde sobre o assunto.

Vários casos de sarampo foram registados no Hospital de Cascais, entre os quais profissionais de saúde que terão sido contaminados por uma criança doente que não estava vacinada e ali foi internada, e uma jovem que, devido ao agravamento do estado de saúde, foi mais tarde transferida para o Hospital Dona Estefânia, em Lisboa, onde acabou por falecer na quarta-feira.

Até ao momento foram registados 21 casos de sarampo no surto epidémico que afeta Portugal.

ARP (SMM) // JMR

Lusa/Fim

+ notícias: País

Associação perplexa com organismo que recomenda suspensão da pesca da sardinha por 15 anos

O presidente da Associação de Produtores da Pesca do Cerco disse hoje estar "perplexo" com a recomendação do organismo científico sobre a suspensão da pesca da sardinha por 15 anos, considerando que é um "cenário apocalíptico" e injustificado.

Cresce a polémica em volta da chama 'lei da rolha' nas comunicações nos incêndios

Está instalada a polémica em torno da chamada 'lei da rolha'. A concentração das comunicações sobre os incêndios em Lisboa está a gerar criticas e desconforto. A Associação de Bombeiros Voluntários e a Liga Portuguesa de Bombeiros acusam a Autoridade Nacional de Proteção Civil de desrespeitar a classe. Mas a Proteção Civil rejeita que esteja a ser aplicada a chamada 'lei da rolha' e acrescenta que a metodologia diz apenas respeito aos comandantes do organismo.

Associações Quercus e Acréscimo: prevenção dos incêndios custaria 165 milhões ano, prejuízos custam mil milhões

A prevenção de incêndios florestais custaria por ano 165 milhões de euros, quando os prejuízos resultantes dos fogos causam um prejuízo de mil milhões, seis vezes mais, segundo as contas das associações Quercus e Acréscimo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS