Jornal das 13 Jornal Diário Último Jornal

Vento forte dificulta trabalho dos bombeiros no parque Peneda Gerês

| Norte
Porto Canal com Lusa

Ponte da Barca, Viana do Castelo, 20 abr (Lusa) - O vento "muito forte", os "declives acentuados" e os "difíceis acessos" estão a dificultar o combate ao incêndio que lavra desde as 22:00 de quarta-feira na Peneda Gerês, disse hoje o responsável da proteção civil de Ponte da Barca.

Em declarações à agência Lusa, Inocêncio Araújo adiantou que o fogo "tem três frentes ativas enormes" cuja extensão não conseguiu quantificar.

Segundo aquele responsável "as três frentes estão viradas às povoações de Ermida, Germil/Lourido e Sobredo", todas na área do Parque Nacional da Peneda Gerês (PNPG).

"O vento é muito forte e as chamas atingiram uma extensão enorme. Com o calor previsto para a tarde e se não forem reforçados os meios, sobretudo aéreos, para atacar e estancar as chamas vão propagar-se montanha acima e podem aproximar-se das povoações", referiu.

Segundo Inocêncio Araújo o incêndio deflagrou cerca das 22:00 de quarta-feira no lugar de Lourido, freguesia de Entre Ambos-os-Rios, naquele concelho do distrito de Viana do Castelo.

"Para já lavrou em zona de pinhal que até tinha sido recentemente limpa. Para já não houve habitações ameaçadas", disse.

De acordo com fonte do Comando Operacional de Operações de Socorro (CDOS) de Viana do Castelo, encontravam-se no terreno pelas 09:00, mais de 20 operacionais dos Bombeiros Voluntários de Ponte da Barca, Sapadores Florestais e Grupo de Intervenção da GNR (GIPS).

Na quarta-feira, a Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC) informou que as regiões Norte e Centro vão registar hoje índices "elevados a muito elevados" de risco de incêndio.

De acordo com a informação da ANPC "destaca-se para os próximos dias a existência de um cenário desfavorável em termos de incêndios florestais", assente em temperaturas máximas que podem atingir valores entre os 28 e os 30 graus Celsius na generalidade do território, "situação que poderá manter-se nos próximos três dias".

ABYC // JGJ

Lusa/Fim

+ notícias: Norte

80% do concelho de Castelo de Paiva foi destruído pelo fogo

Cerca de 80% do concelho de Castelo de Paiva foi consumido pelo fogo que começou em Vale de Cambra. A situação mais preocupante viveu-se esta segunda-feira na freguesia de Real. Várias casas foram destruídas pelas chamas e pelo menos 200 pessoas tiveram de ser retiradas de um pavilhão.

Autarca de Vouzela estima que 80% a 90% do concelho tenha sido "arrasado" pelas chamas

O presidente da Câmara de Vouzela, Rui Ladeira, disse esta terça-feira que "80% a 90% do concelho foi arrasado" pelas chamas, que também deixaram "pelo menos 20 famílias desalojadas" e destruíram "centenas de postos de trabalho".

Em Vouzela a população entrou em desespero com a força das chamas

                               

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

Nota Alta

Mazgani - "The Faintest Light"