Moção de Assunção Cristas ao Congresso do CDS defende "centralidade à cultura"

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 26 fev (Lusa) - A moção de Assunção Cristas ao 26.º Congresso do CDS-PP defende que o partido deve "dar centralidade à cultura", argumentando que a "procura ativa de reflexão e pensamento" é "certamente promotora de maior mobilidade social".

Na moção de estratégia global "Ambição e Responsabilidade", a candidata à liderança do CDS propõe também que o partido se empenhe "em estudar a hipótese de uma administração mais partilhada entre municípios", bem como "apostar num estado social de parceria", em que se insere um eventual "alargamento faseado da ADSE" a trabalhadores do privado.

A centralidade à cultura foi um dos aspetos da moção destacados por Assunção Cristas na apresentação do documento na sede nacional do CDS, em Lisboa.

Para Assunção Cristas, "a experiência íntima da beleza, a nível individual e coletivo, só pode contribuir para um país melhor, mais sensível e com maior compreensão do mundo. O acesso à cultura e uma política de cultura abrangente e consistente são, por isso, aspetos centrais".

No próprio texto da moção, a candidata à liderança adianta que a "procura ativa de reflexão e pensamento, na sua heterogeneidade, é criadora de uma sociedade de pessoas mais conscientes, responsáveis, críticas e abertas à diferença e certamente promotora de maior mobilidade social".

Num outro passo da moção, Assunção Cristas defende um "municipalismo do século XXI", no âmbito do qual considera que "o CDS deve empenhar-se em estudar a hipótese de uma administração mais partilhada entre municípios".

"Em determinadas circunstâncias, pode fazer sentido, ajudando a prestar um melhor serviço aos munícipes, com flexibilidade e partilha de recursos tantas vezes escassos", lê-se na moção.

O documento defende um "estado social de parceria", um aspeto que foi também destacado por Assunção Cristas na apresentação do texto da moção, em que elegeu "o desemprego e a pobreza" como o maior problema do país.

Neste domínio do "estado social de parceria", Assunção Cristas considera que "a defesa de um sistema de saúde de qualidade para todos passa também por estudar o alargamento faseado da ADSE a qualquer trabalhador que pretenda descontar e beneficiar desse sistema".

O sistema de segurança social é outro dos aspetos abordados na moção: "Se todos concordamos na necessidade de assegurar um sistema previdencial, já saber o que podemos e devemos fazer para garantir que o jovem que começa hoje a descontar tem direito a uma pensão - qual e em que moldes -, ao mesmo tempo que o atual pensionista não perde os direitos, é um tema que urge colocar em cima da mesa", lê-se no documento.

"O CDS assume a disponibilidade para estudar e liderar este debate, na certeza de que reformas com esta sensibilidade requerem um consenso intergeracional e uma noção clara de equidade", afirma o moção.

O prazo para a entrega de moções ao 26.º Congresso do CDS-PP, que se realiza a 12 e 13 de março em Gondomar, termina hoje

às 00:00.

ACL // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Chumbadas propostas para compensar e fixar professores

O parlamento rejeitou esta sexta-feira projetos de lei do PCP, do PAN e do BE em defesa de medidas para compensar os professores deslocados e tornar a profissão mais atrativa, face à carência de docentes nas escolas.

PSD: Montenegro eleito novo presidente com 73% dos votos

O social-democrata Luís Montenegro foi hoje eleito 19.º presidente do PSD com 73% dos votos, vencendo as eleições diretas a Jorge Moreira de Silva, que alcançou apenas 27%, segundo os resultados provisórios anunciados pelo partido.

Cavaco acusa Costa e Governo de "imobilismo" que impede reformas

O antigo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, defendeu esta sexta-feira que o primeiro-ministro António Costa e o Governo devem sair "da situação de imobilismo" para realizarem as reformas decisivas e colocar a economia portuguesa numa trajetória de crescimento sustentável.