Demolição de estrutura na Praia do Ourigo, no Porto, vai mesmo avançar

Demolição de estrutura na Praia do Ourigo, no Porto, vai mesmo avançar
| Porto
Porto Canal

A ministra do Ambiente e Energia, Maria da Graça Carvalho, confirmou que, "muito em breve", a Agência Portuguesa do Ambiente (APA) decidirá uma data para a demolição da estrutura de betão da praia do Ourigo, no Porto. "É um assunto que o senhor presidente da APA está a par e a acompanhar, e, muito em breve, será dada uma data e uma solução, que é a demolição [da estrutura]", adiantou a governante aos jornalistas, à margem de uma visita a Terras de Bouro, no distrito de Braga, acrescentando que esse assunto é da "responsabilidade da APA" e não do ministério.

O promotor do Grand Beach Club na praia do Ourigo, no Porto, reclama uma indemnização superior a 1,7 milhões de euros à APA, devido aos prejuízos causados e à execução de um novo projeto.

A estrutura de apoio de praia, que teve pareceres positivos de todas as entidades envolvidas, nomeadamente da APA, da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) e da Direção Regional Cultura Norte, estava em construção, quando, em maio de 2021, o então ministro da Ação Climática, João Pedro Matos Fernandes, anunciou a sua demolição na sequência da polémica e da contestação geradas por se tratar de uma obra em betão na areia.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

 

Quase dois anos depois, em março de 2023, a Câmara do Porto anunciou a aprovação de um novo projeto de arquitetura para a construção do Grand Beach Club, apresentado pelo promotor, após parecer favorável da APA. Após este anúncio e ainda nesse mês, ou seja, há mais de um ano, o promotor do Grand Beach Club enviou uma carta à APA, a que a agência Lusa teve acesso, a reclamar uma compensação indemnizatória de mais de 1,7 milhões de euros.

Em fevereiro, a Lusa tinha questionado o Ministério do Ambiente sobre o ponto de situação deste processo e se iria assumir o pagamento da compensação indemnizatória, mas a tutela remeteu, nessa ocasião, para a resposta da APA, que apenas "esclareceu que iniciou um procedimento contratual para a remoção da estrutura de betão da praia do Ourigo".

A empresa promotora salienta que tem "o prejuízo atinente ao custo da edificação destinatária da ordem de demolição, o custo emergente da demolição da mesma, o custo da reformulação dos projetos de arquitetura e de decoração", a que acresce "o prejuízo decorrente do atraso no início da exploração da concessão".

O promotor reivindica 600 mil euros pelos "custos de construção da edificação mandada demolir", 140 mil euros pelos custos da demolição da estrutura em betão, 20 mil euros devidos "a assessoria jurídica imposta pelo embargo e pela ordem de demolição", 73 mil euros pela reformulação do projeto de arquitetura e 36 mil euros por custos associados à reformulação do projeto de decoração.

Além destes valores, o promotor reclama 883 mil euros "decorrentes do atraso de três anos e meio no início da exploração da concessão".

"Ora, como não será difícil de compreender, a viabilidade do [novo] projeto que se considera pressupõe o ressarcimento dos aludidos prejuízos que, de qualquer forma, sempre seriam inquestionavelmente devidos", refere a missiva.

O promotor assume disponibilidade, "num espírito de colaboração", para chegar a um entendimento com a APA quanto ao valor global da compensação indemnizatória.

"Nesse contexto, estamos disponíveis para que os prejuízos emergentes da perda dos referidos três anos e meio de atividade sejam mitigados com a extensão do prazo da concessão e com a dispensa do pagamento de rendas durante um período considerado adequado", admitem os investidores, exigindo, contudo, o pagamento "integral" dos restantes valores apresentados.

+ notícias: Porto

Nova atualização no número de feridos no derrame de ácido no Porto

O derrame de um químico num laboratório do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge, no Porto, causou esta sexta-feira um ferido grave e quatro ligeiros, confirmou ao Porto Canal fonte do Comando Sub-Regional de Emergência e Proteção Civil da Área Metropolitana do Porto.

Parte do edifício do Instituto Ricardo Jorge evacuado após derrame de ácido nítrico

O derrame de “um recipiente com ácido nítrico” no quinto piso do Instituto Nacional de Saúde Ricardo Jorge, no Porto, que causou esta sexta-feira um ferido grave e quatro ligeiros, obrigou à evacuação de parte do edifício.

Feirantes vão continuar a vender na Ribeira, garante Câmara do Porto e APDL

Os presidentes da Câmara do Porto e da Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) garantiram que os vendedores vão continuar na Ribeira do Porto, depois de um desentendimento entre estas duas entidades.