Metrobus à lupa: o bom aliado de Pau, França, em vésperas de arrancar no Porto

| Porto
Fábio Lopes e Maria Leonor Coelho

O Porto dá as boas-vindas a um novo sistema de mobilidade no final deste verão. Em vias de chegar à Invicta, o metrobus já revolucionou várias cidades europeias. Os exemplos de Nantes, Aalborg e Pau acalentam a esperança de uma melhor resposta nos transportes públicos da Invicta.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

 

Localizada no coração dos Pirinéus, Pau tem vindo a destacar-se na melhoria dos transportes públicos, com o metrobus como joia da coroa. Em circulação desde 2019, o Fébus, como é apelidado, tem conquistado a população local.

“O autocarro é silencioso, rápido. Não há mesmo problemas com o F (metrobus) aqui em Pau”. “Se eu morar no centro da cidade eu apanho o Fébus todos os dias, não o meu carro”, relatam os moradores da comuna francesa, situado paredes meias com a vizinha Espanha.

Com capacidade para 125 passageiros, estes veículos servem 14 estações, ao longo de seis quilómetros de vias dedicadas, unindo os principais pontos da cidade. Diariamente, são mais de 8 mil as pessoas que recorrem a esta solução, que liga o norte ao sul da cidade, passando pelas movimentadas áreas administrativas e estudantis, onde estão sediadas as faculdades.

“A linha une a principal zona de atratividade de emprego dentro deste setor. Neste sentido, é uma linha estrutural, prioritária que passa pela universidade, pela zona administrativa, geradora de muito emprego, onde há muitos estudantes”, relata ao Porto Canal Nicolas Patriarche - Vice-presidente da comuna de Pau Béarn-Pyrénées.

O sucesso do projeto gaulês escreve-se, igualmente, em português, graças ao esforço de Carlos Amaro. Natural de Castelo de Paiva, mas em solo francês há mais de uma década, Carlos, Técnico de hidrogénio do Fébus (como é apelidado o metrobus) é um dos rostos que torna este sistema operacional e eficiente, com tempos de espera entre os 8 e os 10 minutos.

Uma solução pioneira, uma vez que este foi o primeiro sistema a hidrogénio do mundo, à imagem do que será no Porto.

“Efetivamente, o metrobus é uma montra sobre a vila, uma montra de zero emissões, zero carbono”, sublinha Jean Bernard Feltmann - Diretor-geral da Idelis, operadora desta solução de mobilidade sobre rodas.

Desde o seu arranque, o sistema já evitou a emissão de mais de mil toneladas de CO2, fomentando ainda uma profunda reestruturação urbana.

“O hidrogénio é uma tecnologia de zero emissões. Não há emissão de CO2. Mas é preciso ter a certeza de termos eletricidade limpa. Ou seja, a nossa eletricidade vem das barragens dos Pirinéus. Daí serem energias renováveis”, esclarece Pierre Ganchou - Diretor de Projetos da Idelis.

As melhorias introduzidas pelo metrobus em solo gaulês são visíveis e refletem-se nas palavras dos utilizadores. Um sucesso expresso também na vontade de extensão da própria linha, que terá na cidade do Porto um novo protótipo.

“Nós demonstrámos a Pau que é possível. Fazemo-lo todas as manhãs, desde há 5 anos, desde 2019 e é, ao mesmo tempo, um excelente gesto para o meio ambiente das gerações futuras, remata Jean Bernard Feltmann, de sorriso no rosto.

“Hoje demoramos cerca de 17 minutos para chegar do hospital à Gare ou da Gare ao hospital. Antes demoravas mais de 25 minutos. É a principal linha. Gera 20% de validações de todo o circuito de bus e não pára de crescer”, remata o responsável.

Este é assim um projeto que deu a Pau “uma grande visibilidade na Europa e no mundo”, traça Nicolas Patriarche. Mais do que um antídoto contra o tímido volume de trânsito em Pau, afigurou-se como uma arma imprescindível para que seja cumprida a meta de descarbonização da cidade francesa até 2030.

Na iminência de ser implementado em solo portuense, o novo serviço da Metro do Porto, que ligará a Casa da Música à Praça do Império (em 12 minutos) e à Anémona (em 17) este ano, vê no exemplo de Pau um bom aliado, tendo em vista uma melhor resposta dos transportes públicos da Invicta.

+ notícias: Porto

Após sucessivos atrasos, Feiródromo de Campanhã deverá estar pronto em junho de 2025

A Câmara do Porto espera que o Feiródromo de Campanhã esteja pronto em junho de 2025. Tal como avançou o Porto Canal em fevereiro, as obras que deveriam ter arrancado até ao final de 2023 atrasaram. O concurso público para a construção da estrutura acabou por ser lançado apenas há quatro meses, mas só recebeu propostas pelo dobro do preço estipulado.

APDL esclarece que “nunca esteve em causa” retirar os feirantes do cais da Ribeira

A Administração dos Portos do Douro, Leixões e Viana do Castelo (APDL) esclareceu esta quarta-feira que “nunca esteve em causa a retirada” dos feirantes da ribeira do Porto, depois de ter pedido à junta de freguesia para cancelar as licenças.

Antigo Aleixo (re)nasce com promessa de habitação acessível

A Câmara Municipal do Porto aprovou esta quarta-feira a abertura da discussão pública da delimitação da Unidade de Execução do Aleixo para onde está prevista a construção de edifícios em altura e de um parque verde.