São vendidas como saudáveis mas cientistas dizem que aumentam risco de Alzheimer

São vendidas como saudáveis mas cientistas dizem que aumentam risco de Alzheimer
| Mundo
Porto Canal

O neurocientista Robert Lowe alertou para aqueles que são os piores açúcares ou adoçantes para o cérebro. Num vídeo publicado nas suas redes sociais, o médico destacou os adoçantes artificiais presentes nos refrigerantes ‘diet’, com o nome técnico de aspartame.

Robert Lowe lembra um estudo feito em França, que seguiu 100 mil pessoas durante 10 anos, que chega à conclusão que as pessoas que consumem refrigerantes ‘diet’ ou comidas com aspartame tinham uma probabilidade 69% maior de ter diabetes tipo 2, doença que carrega um elevado fator de risco para o desenvolvimento da Alzheimer.

O neurocientista, para além do aspartame, destacou também o agave e o xarope de milho com alto teor de frutose como sendo altamente prejudiciais para o cérebro, pela mesma razão de estarem associados a maior risco de desenvolvimento de diabetes tipo 2.

A OMS classificou recentemente o aspartame, um adoçante até 200 vezes mais forte que o açúcar comum, como "possivelmente carcinogénico para humanos".

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Robert W.B. Love (@robertwblove)

+ notícias: Mundo

Edifício de 14 andares consumido pelas chamas em Valência

Um edifício residencial de 14 andares foi consumido pelas chamas depois de um incêndio ter deflagrado na estrutura durante a tarde desta quinta-feira, por volta das 17h30 locais (16h30 em Portugal).

Devastador incêndio em prédio em Valência provoca pelo menos quatro mortos

Cerca de 450 vizinhos, divididos em 138 apartamentos, num edifício de 14 andares, foram esta quinta-feira afetados por um incêndio de enormes proporções no bairro de Campanar, em Valência, Espanha. O incidente terá provocado pelo menos quatro mortos e 14 feridos. 

Ex-membro da máfia de Nova Iorque escreve livro dirigido a empresários

Lisboa, 06 mai (Lusa) -- Louis Ferrante, ex-membro do clã Gambino de Nova Iorque, disse à Lusa que o sistema bancário é violento e que escreveu um livro para "aconselhar" os empresários a "aprenderem com a máfia" a fazerem negócios mais eficazes.