Setor das bicicletas bate recordes. Portugal é o maior exportador da União Europeia

Setor das bicicletas bate recordes. Portugal é o maior exportador da União Europeia
| País
Porto Canal

Portugal continua a ser o maior exportador de bicicletas na Europa. No primeiro semestre deste ano, o setor faturou mais de 382 milhões de euros, uma subida de 11,9% face ao período homólogo.

A descida do IVA dos velocípedes de 23% para 6% terá estado na origem deste aumento nas exportações.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), 2022 foi o melhor ano em termos de exportações. Contudo, pode dizer-se que a tendência se manteve em 2023, já que a receita gerada no primeiro semestre do ano já ultrapassa metade da receita do ano anterior.

Portugal exporta principalmente para a Alemanha, França e Espanha.

A Decathlon e a Sport Zone confirmaram, em declarações ao JN, que a bicicleta é um dos meios mais procurados, havendo preferência pelos modelos elétricos.

No primeiro semestre do ano, a venda de bicicletas elétricas gerou cerca de 159,9 milhões de euros.

O Governo disponibiliza verbas para apoiar a compra de bicicletas, contudo este apoio já se está quase a esgotar. Ainda há margem para o receber no caso de compra de bicicletas convencionais.

O setor está em constante crescimento, no entanto o mercado ainda está a sofrer com a acumulação de stock, provocada pelo aumento de preços e juros durante a pandemia.

+ notícias: País

Quatro distritos sob aviso laranja devido ao calor

Quatro distritos de Portugal continental vão estar sob aviso laranja até às 18h00 desta quinta-feira devido à previsão de tempo quente, anunciou o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Burlas representam mais de 17% de toda a criminalidade denunciada à PSP

As situações de burla são as grandes responsáveis pelo aumento da criminalidade geral denunciada à PSP em 2023, representando 17,44%, e são responsáveis por prejuízos patrimoniais superiores a 110 milhões de euros, o triplo do verificado em 2022.

Não haverá professores suficientes no início do ano letivo, alerta Federação Nacional da Educação

A Federação Nacional da Educação (FNE) defendeu, esta quinta-feira, que será impossível resolver a falta de professores nas escolas “a tempo do início do ano letivo”, independentemente do plano que o Governo venha a adotar.