Calor e inundações põem em risco mais de 60 mil milhões de euros da exportação de vestuário até 2030

Calor e inundações põem em risco mais de 60 mil milhões de euros da exportação de vestuário até 2030
| Mundo
Porto Canal/Agências

O calor e inundações podem colocar em risco mais de 65 mil milhões de dólares (aproximadamente 60,5 mil milhões de euros) em receitas da exportação de vestuário no Bangladesh, Camboja, Paquistão e Vietname entre 2025-2030, segundo o Global Labor Institute.

“O calor extremo e as inundações estão a ameaçar os principais centros de vestuário e irão colocar em risco mais de 65.000 milhões de dólares de receitas de exportação em quatro importantes centros de produção até 2030”, concluiu a investigação do Global Labor Institute (GLI) da Universidade de Cornell e a Schroders, empresa de gestão de ativos.

Em causa está uma quebra de 22% nas receitas de exportação, impactadas por um crescimento mais lento da indústria, em consequência de uma produtividade mais baixa.

O cenário de elevado calor e inundações analisado revelou ainda que seriam criados menos 950.000 novos postos de trabalho, um decréscimo de, aproximadamente, sete pontos percentuais.

Já para 2050 é perspetivada uma quebra de 68,6% das receitas de exportação e menos 8,64 milhões de postos de trabalho.

Em 2022, um terço do Paquistão ficou submerso devido às inundações que afetaram a região e no início deste ano Daca, no Bangladesh, teve uma vaga de calor de 11 dias, com as temperaturas a atingirem 40,2º C.

Os riscos de inundações e de calor não se verificam apenas nestas quatro geografias, sendo já um problema generalizado. Neste âmbito, os investigadores analisaram a vulnerabilidade climática de 32 centros de produção de vestuário.

Destacaram-se pela sua vulnerabilidade Colombo (Sri Lanka), Manágua (Nicarágua), Chittagong (Bangladesh), Port Louis (Maurícia), Yangon (Miramar), Deli, Banguecoque, bem como as regiões de Dongguan, Guangdong e Shenzhen na China.

“As inundações e o calor extremo representam um risco significativo para todos os quadrantes da produção global de vestuário – nomeadamente trabalhadores, fabricantes, reguladores, investidores e as próprias marcas, mas ninguém está a ter em conta os custos no terreno da degradação climática no seu planeamento”, apontou, citado em comunicado, o diretor executivo do Cornell GLI, Jason Judd.

Por sua vez, o ‘head of sustainable investment research’ da Schroders, Angus Bauer, defendeu que os investidores devem envolver-se com as empresas de vestuário e os seus ‘stakeholders’ (partes interessadas) “para garantir que começam a medir e a enfrentar os desafios significativos dos impactos climáticos físicos nos trabalhadores e nos modelos de negócio”.

Neste estudo foram analisadas as indústrias de vestuário vulneráveis ao clima no Bangladesh, Camboja, Paquistão e Vietname. Em conjunto, estes mercados representam 18% das exportações globais de vestuário, abrangem dez mil fábricas de vestuário e calçado e empregam 10,6 milhões de trabalhadores.

A análise teve em conta os níveis futuros do calor e inundações nestas quatro geografias. Os dados foram também utilizados para estimar os resultados da indústria, comparando um cenário de adaptação ao clima com um de calor intenso e inundações.

+ notícias: Mundo

Líderes do G7 condenam unanimemente "ataque sem precedentes" do Irão a Israel

Os líderes do G7, o grupo dos países mais ricos do mundo, “condenaram unanimemente o ataque sem precedentes do Irão a Israel”, afirmou este domingo o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, no final da reunião.

Ex-membro da máfia de Nova Iorque escreve livro dirigido a empresários

Lisboa, 06 mai (Lusa) -- Louis Ferrante, ex-membro do clã Gambino de Nova Iorque, disse à Lusa que o sistema bancário é violento e que escreveu um livro para "aconselhar" os empresários a "aprenderem com a máfia" a fazerem negócios mais eficazes.

Secretário-geral das Nações Unidas visita Moçambique de 20 a 22 de maio

Maputo, 06 mai (Lusa) - O secretário-geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, vai visitar Moçambique de 20 a 22 de maio, a primeira ao país desde que assumiu o cargo, em 2007, anunciou o representante do PNUD em Moçambique, Matthias Naab.