Mariana Mortágua avisa adversários que "ainda não viram nada"

Mariana Mortágua avisa adversários que "ainda não viram nada"
Facebook Bloco de Esquerda
| Política
Porto Canal/Agências

A líder do BE, Mariana Mortágua, avisou este domingo "os adversários" do partido que "ainda não viram nada" e apontou que o Bloco "é e sempre será o lugar das causas e das convicções".

"Aos nossos adversários, para quem a esquerda é sempre um projeto condenado, já nos conhecem mas ainda não viram nada da força que vamos saber criar, reinventar, construir, unir", afirmou a nova líder, eleita este domingo na XIII Convenção Nacional do BE, em Lisboa.

No seu discurso de consagração, logo após o anúncio dos resultados, Mariana Mortágua garantiu também que as mais de duas décadas de história do partido, as 13 convenções até agora, "esta sala cheia, são só o começo do BE".

A líder eleita, que sucede a Catarina Martins, considerou que atualmente se assiste "à degradação da vida pública" e que "é precisamente quando a vida pública se degrada que é mais preciso mostrar que no BE a política é e sempre será o lugar das causas e das convicções".

"Não deixamos a política entregue ao calculismo nem a esse pântano em que verdade e mentira se confundem. A nossa política é uma paixão maior do que qualquer circunstância, é uma forma de impaciência, é uma vontade que ninguém pode domar", salientou.

+ notícias: Política

Eliminação de portagens em ex-SCUT aprovada na especialidade

Os deputados da Comissão de Economia, Obras Públicas e Habitação aprovaram esta quarta-feira o projeto dos socialistas que elimina as portagens nas ex-SCUT, durante a votação na especialidade.

Jovens que comprem primeira casa vão estar isentos de IMT e imposto de selo

O parlamento aprovou a isenção de IMT e Imposto do Selo para jovens até 35 anos que comprem a primeira casa, uma autorização legislativa do Governo com votos contra do PCP e Livre e abstenção do PS e BE.

Parlamento aprova redução das taxas do IRS

O parlamento aprovou esta quarta-feira em votação final global o projeto do PS que reduz as taxas do IRS até ao 6.º escalão de rendimentos, bem como projetos do PSD e CDS-PP sobre a atualização dos escalões.