Mercado de São Sebastião, o último ponto de comércio tradicional na Sé do Porto

Mercado de São Sebastião, o último ponto de comércio tradicional na Sé do Porto
| Porto
Ana Francisca Gomes

“Vim ver a resistência”, responde Carlos, entre risos, quando lhe perguntam o que o traz até ao Mercado de São Sebastião, no Porto. Quem vê a infraestrutura de fora, chega mesmo a pensar que estará abandonado. Plásticos improvisados tapam as grades para proteger as comerciantes do frio e gatos de rua estendem-se ao sol nas imediações.

A estrutura física, como hoje a vemos, terá nascido na época de 1990, mas o mercado junto à Sé é bem mais velho do que isso. Aquele que agora conhecemos é, na verdade, herdeiro de um dos mais antigos centros de comércio da cidade do Porto: o antigo Mercado de Levante da Rua Escura. Este mercado ambulante, que ladeava a Sé, estendia-se pela Rua Escura e também pela Rua de S. Sebastião, e nele foram sendo progressivamente instaladas barracas provisórias.

Agora, já instaladas em bancas de cimento e metal, restam apenas cinco comerciantes. No dia em que o Porto Canal visitou o espaço, dessas cinco encontrou apenas três. “Tínhamos aqui uma colega, mas no Natal foi para França para o filho, e ainda não voltou”, esclarece-nos uma das vendedoras. A quinta colega, explica, é vendedora de flores, mas “só costuma vir três dias por semana”.

No entanto, o ambiente nem sempre foi assim.

“Éramos muitas [vendedoras], isto estava cheio! Tudo mulheres”. Maria Oliveira Carvalho não consegue precisar o número de vendedoras que o mercado teria pela altura em que foi construída a estrutura física do espaço, mas pelas suas contas de cabeça seriam perto de 30, sem contar com as bancas de peixe.

Maria, ou “Maria Comunista” como todos a conhecem, conta já com 84 anos, sendo cinco décadas desses passadas a vender fruta e legumes no mercado. Não esconde de ninguém as suas orientações políticas - faz, aliás, questão de mostrar o seu cartão de militante do Partido Comunista - nem as suas opções clubísticas. “Os turistas estão sempre a tirar fotos a isso”.

 
 
 
Ver esta publicação no Instagram
 
 
 

Uma publicação partilhada por Porto Canal (@porto.canal)

“Mataram a Sé”

O mercado mantém-se aberto nas manhãs de terça a sábado, mas pouca gente aparece por lá. Pela forma como se comportam, é fácil perceber que muitos são turistas.

Um casal jovem entra e vai, devagar, até à banca da fruta. Estão com um ar curioso, como quem vai à procura de entender que espaço é aquele, escondido entre S. Bento e a Sé. Acabam por levar apenas duas maçãs.

“Há uns anos começou a vir o turismo, a encher as casas, começou a freguesia a tirar daqui as minhas freguesas”, recorda a comerciante.

Segundo o Regulamento Municipal para o Crescimento Sustentável do Alojamento Local (AL), que tem em conta os fogos disponíveis para habitação permanente ou arrendamento de longa duração e os estabelecimentos disponíveis para AL, o rácio na freguesia da Sé é de 44,1%.

“A gente do turismo não consegue viver”, denuncia a comerciante. “Eles compram uma ou duas peças [de fruta], e muitos vêm cá só ver. Se a gente está à espera do turismo … não vai a lado nenhum”.

São as freguesas conhecidas destas mulheres que “ainda mantêm" o mercado em pé.

É exemplo disso Maria José, de 64 anos. “Eu prefiro comprar aqui no mercado para ajudar as minhas vizinhas”, partilha, enquanto agarra num molho de grelos. “Mais vale dar-lhes a elas do que a quem já tem muito”.

Assim que se começa a recordar daquilo em que foi em tempos aquela zona da cidade, “Zeza” é incapaz de esconder o tom de revolta na voz. Descreve que não tem muitos sítios tradicionais ou mais pequenos onde possa fazer as suas compras na zona. "São só hipermercados aqui à volta, com preços elevados”.

Apesar de na altura ter surgido como um importante dinamizador comercial e social da Sé, agora o espaço está quase vazio e é um dos últimos pontos de comércio tradicional na zona.

“Começaram a tirar as pessoas daqui, a Sé morreu”, lamenta Zeza.

O mesmo é corroborado por Rosa, que vive perto e passa pelo mercado. “Aqui, nesta freguesia, eram umas dez mercearias. Agora à volta não há nada, não sei como fizeram isto”.

“Até sinto aqui uma coisa quando passo por cá e penso no que isto era”, lamenta, com as mãos a esfregar o peito, a mulher de 89 anos.

Mas não é só no turismo e no envelhecimento da população da freguesia que Maria Comunista encontra uma justificação para a falta de pessoas a parar no mercado.

“Isto está assim por causa da droga, por causa do mau ambiente”, atira.

O mercado esteve para ser reabilitado em 2019, pela junta da União de Freguesias do Centro Histórico, que recebeu uma verba de 75 mil do orçamento colaborativo da câmara. A reabilitação não foi feita e há meio ano, a 3 de outubro de 2022, a Assembleia Municipal do Porto aprovou revogação do contrato interadministrativo celebrado com freguesia, marcando o regresso deste equipamento à gestão da autarquia.

+ notícias: Porto

Eleições FC Porto: Comunicado da Diretora de Informação do Porto Canal

O Porto Canal está a preparar a emissão do dia das eleições à presidência do Futebol Clube do Porto.

Apesar das denúncias de utilizadores, sistema para carregar Andante pelo telemóvel já está operacional

Esta quinta-feira, conforme noticiado pelo Porto Canal, foi introduzida uma nova funcionalidade na app Anda, possibilitando assim o carregamento de todos os títulos de transporte via telemóvel. Apesar de algumas denúncias por parte de utilizadores durante a manhã desta quinta-feira, uma fonte dos Transportes Intermodais do Porto confirmou ao Porto Canal que o sistema de carregamento do Andante pelo telemóvel não enfrentou quaisquer problemas técnicos e está plenamente funcional tanto no sistema Android quanto no sistema iOS.

Municípios do Grande Porto discutem em maio continuidade na STCP

Os municípios que fazem parte da Sociedade de Transportes Coletivos do Porto (STCP) vão decidir, em maio, a continuidade da sua participação na empresa, revelou esta o presidente da Câmara de Vila Nova de Gaia.