Reunião para redução de custos da JMJ acontece esta quinta-feira. Igreja, Governo e Câmara de Lisboa sentados à mesa

Reunião para redução de custos da JMJ acontece esta quinta-feira. Igreja, Governo e Câmara de Lisboa sentados à mesa
| País
Porto Canal

A prometida reunião entre os responsáveis da Igreja, a Câmara Municipal de Lisboa e o Governo para decidir se é possível reduzir o valor das obras para as Jornadas Mundiais da Juventude (JMJ) irá acontecer esta quinta-feira. A confirmação foi dada pelo bispo auxiliar de Lisboa D. Américo Aguiar que garante que vai pedir aos técnicos que “cortem tudo o que não é essencial para a segurança e para corresponder àquilo que é necessário”.

Em entrevista ao programa Grande Entrevista, na RTP3, o também presidente da Fundação JMJ sublinhou que pretende "entender qual é a razão técnica e de custo financeiro para que este custo seja indispensável e tudo o que não for indispensável vamos pedir que se elimine", reforçando que não querem "passar uma imagem de riqueza, de ostentação, porque isto fere os portugueses e os jovens”. 

O bispo auxiliar de Lisboa, que já havia admitido que o valor (superior a quatro milhões de euros) do altar-palco onde o Papa vai celebrar a missa final "magoa todos", endereçou um pedido de desculpas aos portugueses por não ter acompanhado "devidamente" o processo. 

"Peço desculpa aos portugueses por não o ter feito, acho a minha obrigação acompanhar, não intrometer na competência da autoridade e instituições, mas pedir para acompanhar, para que possamos validar coisas indispensáveis para a concretização do acolhimento de um milhão de jovens na cidade de Lisboa”, reiterou.

D. Américo Aguiar acrscentou que o projeto de palco, que irá nascer junto ao rio Tejo “nunca” lhe foi apresentado diretamente, algo que não deveria ter acontecido.

"O equipamento palco Tejo há de ser entregue à JMJ pela SRU, pela câmara Municipal de Lisboa para nós o podermos utilizar. O que falhou da minha parte é que entre a adjudicação e o anúncio devia ter antecedido uma partilha e uma explicação da situação".

O controverso altar-palco

A obra de construção do altar-palco onde o Papa Francisco vai celebrar a missa final teve um custo previsto de 4,2 milhões de euros à Câmara de Lisboa, numa empreitada atribuída por ajuste direto, que será sujeita agora a uma escrupulosa revisão. 

Segundo a informação disponibilizada no Portal Base da Contratação pública, "a construção foi adjudicada por 4,24 milhões de euros (mais IVA)", somando-se a esse valor "1,06 milhões de euros para as fundações indiretas da cobertura".

A Câmara de Lisboa justificou o investimento no altar-palco com as necessidades do evento e as características do terreno, sublinhando que a estrutura poderá receber 2.000 pessoas, metade dos quais bispos, e continuará depois a ser utilizada.

+ notícias: País

DGS emite orientações para unidades de saúde detetarem precocemente casos de sarampo

A Direção-Geral da Saúde (DGS) emitiu orientações para as instituições prestadoras de cuidados de saúde para promover um “inquérito de risco infeccioso” na admissão do doente para identificar precocemente casos suspeitos de sarampo.

Mais de 500 pessoas detidas numa semana em Portugal

504 pessoas foram detidas pela Polícia de Segurança Pública (PSP) em todo o país, entre 15 a 21 de junho. Entre as detenções, 145 são relativas a crimes rodoviários, sendo que 68 são por condução sob o efeito de álcool e 77 por falta de habitação legal para conduzir.

Ministério da Saúde adia reuniões com sindicatos médicos

O Ministério da Saúde adiou as reuniões negociais que estavam agendadas para a próxima semana com a Federação Nacional dos Médicos e o Sindicato Independente dos Médicos, disseram hoje à Lusa os respetivos líderes sindicais.