Bispo de Viana pede desculpa pelo caso do pároco que abusou de menor

Diocese do Porto
| Norte
Porto Canal/Agências

O bispo de Viana do Castelo pediu esta terça-feira desculpa pelo caso do padre da paróquia de Monção que confirmou segunda-feira ter abusado sexualmente de um menor, afirmando ser com "dor e sofrimento" que experimenta esta realidade na sua diocese.

João Lavrador, que preside à Comissão Episcopal da Cultura, Bens Culturais e Comunicações Sociais, falava aos jornalistas no final de uma sessão de apresentação da mensagem do Papa Francisco para o Dia Mundial da Comunicação Social "Falar com o Coração".

O bispo afirmou que, assim que tomou conhecimento dos factos, afastou o pároco e encaminhou o processo internamente e também para o Ministério Público.

João Lavrador disse ter chamado de imediato, tanto a vítima, como o agressor, confrontando-o "com a realidade", tendo disponibilizado "todos os meios para ajudar [a vítima e a família] naquilo que seja possível e que seja pedido".

Segundo o bispo, o padre "assumiu imediatamente o problema", tomando a decisão de se afastar de todas as funções, o que "facilitou o processo".

"Espero que ele até já esteja fora das paróquias", declarou, adiantando que espera mandar nos próximos dias "uma carta aos paroquianos que ele serviu" para pedir "desculpa e perdão" pela "preocupação muito grande de verem que afinal alguém que esteve à sua frente os enganou".

"Agora, claro, isto não evita em primeiro lugar, a dor, o sofrimento que é meu, que é da diocese, que é das paróquias onde ele serviu, porque se sentem defraudadas", declarou.

João Lavrador afirmou que uma coisa foi "experimentar racionalmente", de forma "intelectual", o problema dos abusos no seio da igreja católica, outra é sentir "a dor, o sofrimento, na realidade".

Para o bispo, o facto de o caminho estar "bem delineado", definindo os procedimentos a adotar, permitiu o encaminhamento imediato do processo.

A diocese de Viana do Castelo anunciou na segunda-feira, em comunicado, ter "proibido" um padre de Monção de exercer o sacerdócio depois de este ter confirmado um caso de abuso sexual de menor, conhecido através de "uma denúncia", comunicada "às autoridades civis e canónicas competentes".

Segundo o comunicado, confrontando com os indícios apresentados, o pároco de várias freguesias de Monção "confirmou os factos de que é acusado e comunicou a sua decisão de se afastar do exercício das suas funções".

"A diocese informa, igualmente, que, tendo em vista as normas do direito canónico, o mesmo sacerdote se encontra proibido de exercer publicamente o ministério", adianta a nota.

No documento, a diocese "partilha do profundo sofrimento da vítima e família, sendo com enorme sentimento de vergonha que torna públicos estes factos, desejando, também, exprimir o maior afeto e cuidado às comunidades paroquiais até agora confiadas" ao pároco.

"Nesta circunstância particular, a diocese de Viana do Castelo quer reforçar o desejo de ser um ambiente seguro e um espaço onde se possa dar voz ao silêncio, pedindo, ainda, todo o esforço, coragem, confiança e oração à comunidade diocesana, neste momento especialmente doloroso", refere a nota.

O padre ministrava nas paróquias do Divino Salvador de Cambeses, Santa Maria de Abedim, Nossa Senhora das Neves de Bela, São João Baptista de Longos Vales, São João Baptista de Portela e São Miguel de Sago e, era assistente dos convívios fraternos, em Monção.

+ notícias: Norte

Escolhem o Porto para trabalhar. Há quatro mil nómadas digitais na Invicta

Um computador portátil e bom acesso à internet bastam para que os nómadas digitais se instalem em qualquer parte do mundo. Contudo, a boa reputação da cidade a nível internacional, o bom tempo e o custo de vida acessível têm servido de chamariz para várias pessoas que trabalham remotamente.

Siaco declarada insolvente. Trabalhadores passam a ter direito a fundo de desemprego

A fábrica Siaco, produtora de calçado, em São João da Madeira, que fechou portas esta segunda-feira e deixou mais de uma centena de trabalhadores sem emprego, já foi declarada insolvente pelo Tribunal de Oliveira de Azeméis.

Vila do Conde. Trânsito condicionado na A28 após despiste de agente da GNR

O trânsito encontra-se condicionado na A28, na zona de Modivas, sentido Viana do Castelo - Porto, na sequência de um despiste de um motociclo, cujo condutor era um elemento da Guarda Nacional Republicana (GNR).