Desagregação de Seixezelo e Pedroso em Gaia gera trocas de acusações entre PS e PSD

Desagregação de Seixezelo e Pedroso em Gaia gera trocas de acusações entre PS e PSD
| Norte
Porto Canal / Agências

O ex-presidente da Junta de Seixezelo (PSD), localidade de Vila Nova de Gaia agora agregada com Pedroso, acusou esta segunda-feira o atual presidente (PS) de “desonestidade intelectual” e de ter promovido um abaixo-assinado para contrariar a vontade da população.

Em causa está o processo de desagregação de freguesias e uma polémica que já gerou dois abaixo-assinados contraditórios, cada qual com mais de 630 assinaturas, e determinou a marcação de uma consulta pública à população de Seixezelo para 1 de dezembro.

Esta polémica já gerou várias trocas de acusações entre o atual (PS) e o anterior autarca (PSD), bem como de um movimento popular e da CDU de Vila Nova de Gaia.

Para o atual presidente da União de Freguesias de Pedroso e Seixezelo, Filipe Silva Lopes, as posições e acusações esta segunda-feira tornadas públicas pelo PSD são “politiquice barata” com “propósitos políticos”.

Num comunicado enviado à agência Lusa, o social-democrata Sérgio Baptista, que foi presidente da Junta de Seixezelo e é membro da Assembleia de Freguesia da União de Pedroso e Seixezelo, acusa o socialista e atual presidente de Junta de estar “a usar a maioria absoluta para, numa atitude autista de quero, posso e mando, fazer prevalecer a sua opinião pessoal contra a legítima vontade dos seixezelenses”.

“Quis fazer de Seixezelo um caso único e uma exceção, sem razão e sem sentido, em Vila Nova de Gaia, contra um verdadeiro pacto de regime entre a câmara municipal e todos os partidos com assento na Assembleia Municipal, quando participou, em fevereiro passado, numa reunião que decidiu a desagregação a 24 e em que o próprio entrou mudo e saiu calado, sem declarar qualquer oposição”, lê-se no comunicado.

Sérgio Baptista acusa Filipe Silva Lopes de ter promovido o abaixo-assinado que é contra a desagregação destas freguesias e afirma que as assinaturas foram “recolhidas por funcionários da autarquia e em horário de expediente” e que “a veracidade e autenticidade de muitas assinaturas é muito duvidosa”.

No comunicado, o social-democrata diz que do documento constam o nome e não seguramente a assinatura de pessoas com a identificação repetida, pessoas recenseadas em outras freguesias, pessoas que estão emigradas e têm residência no estrangeiro, folhas inteiras apenas com a menção de nome e número de Cartão do Cidadão, entre outras situações.

A agência Lusa contactou o presidente da União de Freguesias de Pedroso e Seixezelo que negou ter tido participação na elaboração do abaixo-assinado, apontando que apenas se limitou a remeter os dois (um contra a desagregação e outro a favor) para “as entidades que se entendeu que se devia encaminhar”, nomeadamente a Assembleia Municipal.

“[Essa acusação] é falsa. Qualquer um dos abaixo-assinados é legítimo, mas sinceramente nem olhei para nenhum. Não assinei nenhum. A Junta de Freguesia não promoveu nenhum abaixo-assinado como é evidente. Apenas encaminhou os dois que recebeu”, disse Filipe Silva Lopes.

Já as acusações de desonestidade intelectual ou de estar a tentar impedir a desagregação das freguesias à revelia da vontade popular, o autarca disse estar “tranquilo” quanto ao seu comportamento, admitindo que defende a manutenção da união e freguesias, uma opinião que não mudou.

“Ao contrário do senhor Sérgio Baptista, temos atas de 2012 que provam que ele defendia a agregação. Pronto, agora mudou de ideias, mas eu nunca mudei e nunca escondi a minha opinião”, disse.

Para o socialista, “não é a identidade que move o senhor Sérgio Baptista que entra mudo e sai calado nas Assembleias de Freguesia. Ele está a fazer uma pré-campanha e o adversário não serei eu, quer agregue quer desagregue”, respondeu.

Na quinta-feira vai decorrer uma consulta pública (por voto secreto em urna), que não é vinculativa e é reservada a pessoas recenseadas em Seixezelo, das 8h às 19h no Centro Social Manuel Pinto de Sousa.

A freguesia de Seixezelo tem 15.000 habitantes, enquanto a de Pedroso tem 30.000.

Em Vila Nova de Gaia existem 15 autarquias locais, sete das quais são uniões de freguesias e oito juntas. Antes da agregação, existiam 24 freguesias.

+ notícias: Norte

Filigrana da Póvoa de Lanhoso em consulta pública para inscrição como património cultural

A consulta pública do projeto da “Arte da Filigrana da Póvoa de Lanhoso”, no distrito de Braga, para inscrição no Inventário Nacional do Património Cultural Imaterial, foi esta sexta-feira publicada em Diário da República, com a duração de 30 dias.

ASAE apreende 2,3 toneladas de carne em operação de fiscalização na Mealhada

A Autoridade de Segurança Alimentar e Económica anunciou esta sexta-feira a apreensão de 2,3 toneladas de carne de porco, numa operação de fiscalização que ocorreu no concelho da Mealhada, distrito de Aveiro.

Ministra diz não existir nenhuma objeção para que barragens paguem IMI

A ministra da Coesão Territorial disse esta sexta-feira não existir da parte do Governo "nenhuma objeção a que as barragens paguem IMI" e que essa receita poderá ser "importante" para futuros investimentos públicos infraestruturantes.