Prejuízos de milhões não impedem TAP de adquirir dezenas de BMW para chefias

Prejuízos de milhões não impedem TAP de adquirir dezenas de BMW para chefias
| País
Porto Canal

A companhia aérea, alvo de um programa de resgate de 3,2 mil milhões de euros pagos pelos contribuintes portugueses, procedeu à encomenda de vários BMW para as suas chefias.

Na base da decisão, segundo a TAP, está a necessidade de melhorar o perfil da frota automóvel, atualmente constituída por veículos Peugeot a diesel.

Esta informação, noticiada pela TVI/CNN Portugal, aponta para a aquisição inicial de 79 automóveis da séries 5, X3 e X2 da marca alemã. Com um valor de mercado a variar entre os 52 e os 65 mil euros, estes plug-in híbridos começarão a chegar no início do próximo ano.

A TAP já veio no entanto desmentir os números avançados, referindo que são apenas 50 veículos, e não os 79 referidos, justificando que esta decisão vai na realidade permitir à empresa poupar dinheiro.

A transportadora, que no primeiro semestre apresentou prejuízos de 202,1 milhões de euros, argumenta que o negócio será estabelecido através de contratos de “renting”, ao invés da sua compra, o que permitirá uma poupança face ao modelo de gestão anteriormente praticado. No entanto, os valores desta poupança não foram revelados.

Quando questionada sobre a decisão de não optar por veículos de custos menores, tendo em conta a situação financeira da empresa, a companhia aérea justificou-se com o facto de “as opções disponíveis para diretores apresentam melhores rendas face a outras marcas, graças aos melhores valores residuais no final do contrato.”, acrescentando que “esta opção apresenta também melhores prazos previstos para entrega das viaturas, considerando a crise de produção que o mercado automóvel atravessa”.

+ notícias: País

Fisco vai avaliar e atualizar matrizes das barragens para cobrar IMI

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai fazer uma avaliação e atualização das matrizes das barragens e avançar com a cobrança do IMI desta tipologia de bens, segundo determina um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Nuno Félix.

Período de transição entre contratos do SIRESP vai custar ao Estado 7,4 milhões de euros

O período de transição vai custar, ao Estado, 1,2 milhões de euros por mês. De acordo com o Jornal de Notícias, o processo só deverá estar concluído no final de junho.

Primeiro prazo para reforço do poder das regiões já falhou

O prazo para o reforço do poder das regiões, no âmbito da transferência de competências das direcções regionais para as CCDR, seria o fim de janeiro. No entanto, de acordo com o jornal Público, o diploma ainda não está concluído.