Gazprom anuncia novo corte drástico nas entregas de gás à Europa

| Mundo
Porto Canal / Agências

O grupo russo Gazprom anunciou hoje que vai reduzir drasticamente, a partir de quarta-feira, o fornecimento de gás russo à Europa através do gasoduto Nord Stream, justificando a redução com a manutenção de uma turbina.

"A capacidade de produção da estação de compressão Portovaïa passará para 33 milhões de m3 diários em 27 de julho às 07:00" (05:00 em Lisboa), indicou a Gazprom, ou seja, cerca 20% da capacidade do gasoduto contra os 40% atuais.

A decisão foi anunciada na conta da Gazprom no Telegram.

A Rússia já tinha reduzido por duas vezes o volume das suas entregas, em junho, alegando que o gasoduto não pode funcionar normalmente sem uma turbina que está em reparação no Canadá e que não foi entregue à Rússia por causa das sanções impostas pelo Ocidente a Moscovo na sequência da invasão russa da Ucrânia.

Desde então, a Alemanha e o Canadá concordaram em recuperar o equipamento para a Rússia, mas a turbina ainda não foi entregue.

Para Berlim, trata-se de uma decisão "política" e um "pretexto" para pressionar os países ocidentais, no contexto do conflito na Ucrânia.

O presidente russo, Vladimir Putin, já tinha avisado que se a Rússia não recebesse a turbina em falta, o gasoduto passaria a funcionar a 20% da sua capacidade a partir desta semana devido à manutenção em breve de uma segunda turbina.

O gasoduto Nord Stream liga a Rússia à Alemanha, através do Mar Báltico e tem, segundo a Gazprom, uma capacidade para 167 milhões de m3 diários. Vários países dependem bastante dos recursos energéticos russos.

Os países ocidentais acusam Moscovo de se servir disso em retaliação às sanções adotadas após a ofensiva russa na Ucrânia.

Por sua vez, o Kremlin diz que as sanções estão na origem dos problemas técnicos na infraestrutura de gás e que a Europa é atingida pelas medidas que impôs à Rússia.

Num comunicado anterior divulgado hoje, a Gazprom já tinha indicado que a entrega da primeira turbina estava bloqueada, apontando "problemas" devido a "sanções da União Europeia e do Reino Unido".

+ notícias: Mundo

Irão desmente desmantelamento da "polícia da moralidade"

As declarações são vagas, mas afinal poderá não ser abolida a "polícia da moralidade" no Irão, tal como tinha sido avançado pelos meios de comunicação internacionais. O procurador-geral, Mohammad Jafar Montazeri, veio dizer que admite revisão das leis do hijab. Ativistas falam em propaganda destinada a travar vaga de protesto

Rússia garante que não vai vender petróleo ao preço definido pelo Ocidente

O vice-primeiro-ministro da Rússia, Alexander Novak, garante que não vai vender petróleo dentro do limite máximo de preços decretado por países ocidentais, mesmo que isso venha a ter como consequência uma redução na produção petrolífera russa.

 

Covid-19. França não descarta regresso da máscara

O ministro francês da Saúde, François Braun, garantiu hoje não descartar o regresso da obrigatoriedade do uso de máscara, face ao aumento do número de infetados por covid-19, e apelou à vacinação.