Montenegro expressa respeito por todo o percurso de Rui Rio

Montenegro expressa respeito por todo o percurso de Rui Rio
| Política
Porto Canal / Agências

O presidente eleito do PSD Luís Montenegro manifestou hoje o seu respeito por todo o percurso de Rui Rio, que vai cessar funções como líder social-democrata.

“Quero expressar o meu respeito por todos o seu percurso e o meus respeito pelo esforço que dedicou à causa do PSD”, afirmou Montenegro, no discurso de arranque no 40.º Congresso do PSD, no Porto.

No início da sua intervenção, manifestou também a sua consideração pelo seu adversário nas últimas diretas, Jorge Moreira da Silva, pela campanha com “grande elevação” que protagonizaram.

“A circunstância de nos termos defrontados nestas eleições diretas não se retira em nada, pelo contrário aumento esa consideração”, afirmou.

Montenegro admite falar com Costa sobre aeroporto, mas rejeita chantagem

O presidente eleito do PSD, Luís Montenegro, admitiu hoje falar com o primeiro-ministro sobre a futura solução aeroportuária para a região de Lisboa, mas rejeitou chantagens.

"Eu próprio e, seguramente, a nova direção do PSD não aceitamos qualquer chantagem psicológica, política ou institucional nem sobre o 'timing' nem sobre o conteúdo da decisão", assinalou o novo líder do PSD na sua primeira intervenção no 40.º Congresso Nacional do PSD, que decorre até domingo no pavilhão Rosa Mora, no Porto.

No rescaldo da polémica com o ministro das Infraestruturas, Pedro Nuno Santos, sobre a solução aeroportuária para Lisboa, Montenegro assegurou: "O novo líder do PSD não trata destes assuntos com ligeireza nem com estados de alma, nem o novo nem aquele que cessa funções".

De acordo com o novo líder social-democrata, o PSD tratará esta questão "com sentido de Estado e com sentido de proteção do interesse nacional".

Para o presidente eleito dos sociais-democratas, a polémica que envolveu Pedro Nuno Santos e António Costa constituiu "a mais inusitada, estranha e mal explicada briga entre um primeiro-ministro e um ministro em toda a história democrática".

O 40.º Congresso Nacional do PSD decorre até domingo, no pavilhão Rosa Mota, no Porto.

 "Não são os eleitores que estão errados, somos nós que não conseguimos convencer"

O presidente eleito do PSD, Luís Montenegro, admitiu hoje face aos resultados das últimas legislativas que "não são os eleitores que estão errados", mas o partido que não os está a conseguir convencer.

No seu discurso de arranque do 40.º Congresso do PSD, Montenegro defendeu que para "haver futuro" para o partido é preciso "erradicar uma quase fatalidade".

"O PS governa, desgoverna e desarruma o país e nós vamos lá de fugida pôr ordem na casa e colocar novamente o país no rumo certo", afirmou.

Para o novo presidente, "algumas coisas têm de estar mal" com o PSD e defendeu ser necessária humildade para "o reconhecer e corrigir".

"Não estou a mandar recados para ninguém, nem quero. Proponho que possamos acertar como ponto de partida o seguinte: não são os eleitores que estão errados, somos nós que não estamos a conseguir convencer", defendeu.

Na noite da derrota eleitoral das legislativas de 30 de janeiro, a vice-presidente do PSD Isabel Meirelles considerou que "o que falhou foi o povo português".

Montenegro defendeu que o partido tem de se modernizar e "estabelecer uma relação de maior afinidade com as pessoas" e deixou uma promessa.

"Eu serei a locomotiva dessa relação direta com as populações e os territórios e a partir de setembro passarei todos os meses uma semana num distrito de Portugal. Vou estar em contacto com a realidade económica, institucional, social de todos os distritos do país e das regiões autónomas", assegurou.

 

+ notícias: Política

França disponível para "revisitar" interligações ibéricas de energia

O secretário de Estado português dos Assuntos Europeus, Tiago Antunes, obteve esta terça-feira da sua homóloga gaulesa disponibilidade para "revisitar" a questão das interligações ibéricas de energia, em encontro até ao final do ano com Portugal e Espanha.

Fim da propina para ensino de português no estrangeiro não passará no parlamento, afirma Paulo Pisco

Os pareceres do BE, PCP e PAN sobre a eliminação da propina para o ensino de português no estrangeiro foram esta terça-feira votados favoravelmente em comissão parlamentar, uma intenção que não passará no parlamento, segundo o deputado socialista Paulo Pisco.

MAI diz que novo plano de investimentos para forças de segurança é oportunidade para o país

O ministro da Administração Interna disse esta terça-feira que o novo plano de investimento em infraestruturas e equipamentos das forças de segurança até 2026 é “uma oportunidade” para o país e para a resolução dos problemas das polícias.