Montenegro diz que Governo do PS já devia ter resolvido problema do aeroporto em Lisboa nos últimos sete anos

| Política
Porto Canal / Agências

O presidente eleito do PSD, Luís Montenegro, defendeu hoje que o Governo já deviria ter resolvido o problema do aeroporto em Lisboa nos sete anos "que já leva de exercício de mandato", antecipando um executivo em fim de ciclo.

"Em boa hora era o Governo ter resolvido o problema do aeroporto nos sete anos que já leva de exercício de mandato. Isso é que era boa hora se tivesse sido aproveitada para isso", respondeu aos jornalistas Luís Montenegro, quando questionado se a crise do aeroporto de Lisboa tinha vindo em boa hora uma vez que aconteceu dias antes do 40.º Congresso Nacional do PSD, que começa hoje no Porto.

O presidente eleito do PSD criticou o "arranque absolutamente desastrado do Governo" que "se apresenta três meses depois da tomada de posse na sequência das eleições legislativas completamente em fim de ciclo".

"Está a começar um ciclo e parece que já está no fim", lamentou.

+ notícias: Política

Grupo dos 50 responsabiliza a ministra da Saúde e gestores pela crise nas Urgências

O Grupo dos 50 responsabiliza a ministra da Saúde e gestores pela crise nas Urgências. Este grupo, do qual fazem parte personalidades das mais variadas áreas da sociedade civil, critica a realidade que tem marcado sobretudo os Serviços de Urgência de Ginecologia-Obstetrícia e apela ao Governo para que avance rapidamente com medidas estruturais que garantam a continuidade do Serviço Nacional de Saúde.

Montenegro propõe programa de emergência social no valor de mil milhões de euros

O presidente do PSD anunciou, domingo, que o partido entregou no parlamento uma proposta de programa de emergência social para o período de setembro a dezembro, no valor global de mil milhões de euros de ajuda aos mais necessitados.

Cotrim de Figueiredo acusa PS de transformar Portugal em país "medíocre e incapaz"

O presidente da Iniciativa Liberal (IL), João Cotrim de Figueiredo, acusou hoje o PS de estar a transformar Portugal num “país medíocre e incapaz”, com uma visão da maioria absoluta “autoritária e prepotente”.