Novas supressões de comboios marcam manhã de São João no Porto

Novas supressões de comboios marcam manhã de São João no Porto
| Norte
Porto Canal com Lusa

As supressões de comboios nos serviços urbanos do Porto voltaram esta manhã a fazer-se sentir, mas não na totalidade, na sequência da greve de quinta-feira do sindicato dos revisores e da paralisação convocada para hoje pela Fectrans.

De acordo com dados adiantados pela CP - Comboios de Portugal à agência Lusa, das 00:00 às 08:00 de hoje, dia de São João, foram realizados 14 dos 26 comboios previstos no serviço urbano do Porto.

A CP - Comboios de Portugal tinha estimado, na quarta-feira, que os comboios urbanos do Porto, Coimbra e o Celta não se realizariam na quinta-feira, véspera de São João, devido a greve.

A empresa tinha também advertido "para o período entre as 00:00 do dia 23 e as 07:00 do dia 24 de junho", podendo "ocorrer perturbações muito significativas no dia 23 de junho, com forte impacto nos dias anterior e seguinte, em todos os serviços com origem e/ou destino no Norte de Portugal, Coimbra e Linha do Oeste".

Para a manhã de hoje, convocada pelo Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF), da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), foram decretados serviços mínimos pelo Tribunal Arbitral do Conselho Económico e Social, segundo informação da transportadora, ao contrário do que aconteceu para a greve de quinta-feira, convocada pelo Sindicato Ferroviário da Revisão Comercial Itinerante (SFRCI).

O SFRCI confirmou que na quinta-feira estaria prevista a "supressão total" de todos os comboios urbanos do Porto e Coimbra devido à greve convocada por aquela estrutura, havendo também supressões no longo curso.

O sindicato contesta a "diferença de tratamento" e "falta de equidade" face aos trabalhadores da antiga Empresa de Manutenção de Equipamento Ferroviário (EMEF), que foi integrada na CP.

"Valorizaram alguns colegas desses entre 200, 300 e 400 euros e, no nosso caso, estamos a falar de aumentos de oito euros a 12 euros", alegou o sindicalista António Lemos, frisando não estar "contra valorizar e enquadrar" os colegas da EMEF.

A esta greve junta-se a paralisação do Sindicato Nacional dos Trabalhadores do Setor Ferroviário (SNTSF), da Federação dos Sindicatos de Transportes e Comunicações (Fectrans), às horas extraordinárias, ao trabalho em dia feriado, ao trabalho em dia de descanso semanal, ao trabalho com falta de repouso nos termos do Acordo de Empresa e também a partir da oitava hora de serviço.

Na segunda-feira, Fectrans e o SNTSF ameaçaram avançar contra a CP em tribunal, falando em “discriminação” dos trabalhadores da antiga EMEF.

Segundo uma nota da federação sindical, “o que está em causa neste momento é o respeito pelos trabalhadores, que continuam a ver os seus salários desvalorizados e perante propostas de retirada de direitos, polivalências, para com menos trabalhadores conseguirem fazer o mesmo de hoje”, acrescentando que o SNTSF/Fectrans, "sem prejuízo do anúncio de outras ações a anunciar a breve prazo, depois de efetuar nova ronda pelos locais de trabalho, mantém a greve ao trabalho extraordinário que foi prolongado até ao final de julho, nos mesmos moldes deste mês”.

+ notícias: Norte

Populares e ativistas marcaram presença num protesto contra a exploração de lítio na mina do Barroso

Na manhã desta terça-feira, dezenas de populares e ativistas marcaram presença numa manifestação contra a exploração de lítio na mina do Barroso. A arruada simbólica serviu de alerta para os impactos ambientais e para a escassez de água de que a região enfrenta e que a extração mineira pode agravar.

Trabalhadores da maior produtora de cogumelos frescos em greve por melhores salários e condições de trabalho

Os trabalhadores das unidades de produção da maior produtora de cogumelos frescos do país estiveram em greve ao longo desta terça-feira. Ao que apurou o Porto Canal, os trabalhadores exigem um aumento dos salários, do subsídio de alimentação e ainda melhores condições de trabalho.

Uso "desenfreado" de trotinetes aumentou "medo de usar o espaço público" em invisuais

O uso "desenfreado e sem civismo" de trotinetes aumentou o medo de usar o espaço público nas pessoas invisuais, agudizando o sentimento de isolamento de quem não vê, denunciou esta terça-feira a Associação dos Cegos e Amblíopes de Portugal.