Principais partidos do Brasil repudiam ameaças de Bolsonaro à democracia

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Brasília, 06 set 2021 (Lusa) - A plataforma Direitos Já, formada por 16 dos principais partidos políticos brasileiros, expressou hoje o seu "repúdio" às "ameaças" do Presidente do país, Jair Bolsonaro, e dos seus apoiantes ao Congresso, ao Supremo Tribunal Federal e à própria democracia.

"A tradição constitucional brasileira, de freios e contrapesos capazes de fazerem robusta a nossa jovem democracia, está sob risco para servir a um projeto de orientação fascista, capitaneado pelo próprio chefe do poder executivo", diz o documento, divulgado às vésperas de protestos convocado pelos 'bolsonaristas' para esta terça-feira.

O próprio Bolsonaro e os grupos de extrema-direita que o apoiam pretendem tomar as ruas das principais cidades do país nesta terça-feira, quando se comemora o Dia da Independência Nacional, em "defesa da liberdade" e "valores conservadores".

No entanto, os mais radicais têm instado a "invadir" as sedes do Parlamento e do Supremo Tribunal Federal e têm utilizado as redes sociais para promover ameaças e até sugerir o assassínio de juízes.

De acordo com a plataforma Direitos Já, formada por 16 partidos que vão da esquerda à direita mais moderada, Bolsonaro "convulsiona o tecido social ao promover uma campanha de armamento de cidadãos, apropriar-se de data nacional, a Independência, e convocar milicianos armados às ruas em marcha contra um pilar do sistema democrático".

O documento acrescenta que "Bolsonaro encena uma crise política, com atos de golpe explícito, para desviar a atenção do desemprego que grassa; da fome que campeia; da grave devastação ambiental, que acelera a crise hídrica e energética; e da inflação, já definitivamente em ascensão".

O momento, segundo os 16 partidos signatários, "é de grande tensão" e exige que todas as forças democráticas do país permaneçam "vigilantes", especialmente no dia 07 de setembro.

"Que fique garantido àqueles que queiram protestar em favor do Presidente que o façam de modo ordeiro. No entanto, que qualquer atitude atentatória à independência dos poderes, ao primado da lei e à liberdade dos cidadãos seja duramente reprimida e debelada pela autoridade da Constituição, na defesa da ordem democrática", diz o documento.

Entre os signatários estão o progressista Partido dos Trabalhadores (PT), liderado pelo ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, e o Partido da Social Democracia Brasileira(PSDB), do ex-mandatário Fernando Henrique Cardoso e mais alinhado com a centro-direita.

Também é assinado pelos partidos Democratas (DEM) e Liberal (PL), formações de direita muito mais próximas do Governo, mas distantes das posições mais extremas de Bolsonaro.

MYMM // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Irão desmente desmantelamento da "polícia da moralidade"

As declarações são vagas, mas afinal poderá não ser abolida a "polícia da moralidade" no Irão, tal como tinha sido avançado pelos meios de comunicação internacionais. O procurador-geral, Mohammad Jafar Montazeri, veio dizer que admite revisão das leis do hijab. Ativistas falam em propaganda destinada a travar vaga de protesto

Rússia garante que não vai vender petróleo ao preço definido pelo Ocidente

O vice-primeiro-ministro da Rússia, Alexander Novak, garante que não vai vender petróleo dentro do limite máximo de preços decretado por países ocidentais, mesmo que isso venha a ter como consequência uma redução na produção petrolífera russa.

 

Covid-19. França não descarta regresso da máscara

O ministro francês da Saúde, François Braun, garantiu hoje não descartar o regresso da obrigatoriedade do uso de máscara, face ao aumento do número de infetados por covid-19, e apelou à vacinação.