Info

Covid-19: Associação da GNR pede realização de testes caso vacinação seja adiada

| País
Porto Canal com Lusa

O presidente da Associação dos Profissionais da Guarda (APG/GNR) defendeu hoje que devem ser realizados testes com frequência às forças de segurança caso seja alterado o plano de vacinação contra a covid-19.

As declarações de César Nogueira à agência Lusa surgem na sequência de uma notícia divulgada hoje pelo jornal Expresso, segundo a qual a vacinação das forças de segurança vai deixar de liderar as prioridades devido à escassez de vacinas, sendo reforçada a administração a pessoas com 80 ou mais anos e entre os 50 e os 79 anos com doenças crónicas.

"Visto que o plano de vacinação vai ser alterado, no mínimo, aquilo que o Governo deve fazer é realizar testes de 15 em 15 dias ou de mês a mês a estes profissionais" para poder haver "uma melhor despistagem" e os militares "não andarem a infetar outras pessoas" porque todos os dias têm de andar no terreno.

Segundo César Nogueira, esses testes à covid-19 nunca foram realizados, dando o seu exemplo: "ontem [quinta-feira] fui vacinado, mas até à data de ontem nunca fiz um teste e ando todos os dias no terreno, sou patrulheiro, contacto com pessoas e não faço a menor ideia se fui infetado e já passou".

César Nogueira disse perceber que devido à escassez de vacinas existam outras pessoas prioritárias, nomeadamente os idosos e pessoas com algumas patologias, mas lamentou serem "relegados novamente para trás".

"Aquilo que nós achamos é que tudo isto está um pouco mal delineado, não sabemos o motivo deste atraso da vacina, certamente que será por atraso do fornecedor, mas isto é demonstrativo de que os profissionais da linha da frente, onde se incluem os profissionais das forças e serviços de segurança, mais uma vez, como já é apanágio, são relegados para um plano posterior", lamentou o presidente da APG/GNR.

O presidente da APG/GNR estima que o número de vacinados não passará dos 2.000, faltando oito mil dos que estavam previstos vacinar nesta primeira fase do plano de vacinação.

Segundo o jornal Expresso, que cita declarações do coordenador da 'task force', Henrique Gouveia e Melo, a escassez de vacinas levou à alteração do plano inicial da vacinação, retardando a vacinação às Forças Armadas e forças de segurança, bombeiros, elementos de órgãos de soberania, como tribunais e o parlamento, e mesmo médicos que não estejam na linha da frente.

O grosso das vacinas disponíveis será administrado a dois grupos: a pessoas com 80 ou mais anos e a pessoas entre os 50 e os 79 anos com uma das quatro doenças de maior risco para a covid-19 (cardíaca, coronária, renal e respiratória grave).

De acordo com o jornal, a escassez das vacinas e a necessidade de proteger os mais vulneráveis à covid-19 levaram o novo coordenador da 'task force' a redefinir prioridades na vacinação.

Henrique Gouveia e Melo adiantou ao jornal, que 90% das vacinas disponíveis destinam-se agora a "salvar vidas" e apenas 10% a "ir reforçando a resiliência do Estado em período de pandemia".

A covid-19 já matou em Portugal 15.754 pessoas dos 792.829 casos de infeção confirmados, segundo a Direção-Geral da Saúde.

+ notícias: País

Pessoas a partir dos 60 anos já podem inscrever-se para a vacina

As pessoas a partir dos 60 anos já podem fazer o agendamento para a vacinação contra a covid-19, que até agora estava reservado a maiores de 65 anos, disse à Lusa a "task force" da vacinação.

Portugal com uma morte e 324 novos casos nas últimas 24 horas por Covid-19

Portugal registou hoje uma morte atribuída à covid-19, 324 novos casos de infeção pelo novo coronavírus e uma ligeira subida no número de internamentos em enfermaria, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Portugal com duas mortes e 406 novos casos nas últimas 24 horas

Portugal registou hoje duas mortes atribuídas à covid-19, 406 novos casos de infeção pelo coronavírus e nova descida no número de internamentos em enfermaria e em cuidados intensivos, segundo a Direção-Geral da Saúde (DGS).

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

Hoje Conhecemos - Nuno Palhas
Zoom Zoom Z o o m