Info

Covid-19: Variantes do vírus podem levar a maior pressão dos sistemas de saúde

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 29 dez 2020 (Lusa) -- O Centro Europeu de Controlo e Prevenção de Doenças (ECDC) considerou hoje existir um risco alto das variantes identificadas do SARS-Cov-2, que provoca a doença covid-19, levarem a uma pressão adicional dos sistemas de saúde.

Num relatório hoje divulgado, o ECDC refere que as variantes do vírus podem constituir uma fonte de pressão adicional sobre os sistemas de saúde, causando maior de mortalidade devido à sua maior contagiosidade.

"A probabilidade de aumento da circulação de variantes de SARS-CoV-2, colocando maior pressão nos sistemas de saúde nas próximas semanas, é considerado alto", mesmo que sejam mantidas as atuais medidas de saúde pública, refere a ECDC.

Segundo o relatório do centro com sede em Estocolmo, a maior contagiosidade das variantes já detetadas poderá ter impacto num maior número de internamentos e de óbitos, particularmente em idosos e pessoas com comorbilidades.

Para identificar e avaliar o impacto destas variantes, o relatório defende que os países devem continuar a monitorar mudanças abruptas nas taxas de transmissão ou de gravidade da doença da covid-19.

"Os vírus mudam constantemente por meio de mutações e o surgimento de novas variantes é uma ocorrência esperada e não, por si só, motivo de preocupação. O SARS-CoV-2 não é exceção", assegura a ECDC, ao adiantar que, desde 26 de dezembro, mais de 3.000 casos desta nova variante, confirmados por sequenciamento do genoma, foram confirmados no Reino Unido.

O Instituto Ricardo Jorge conta ter nos próximos dias resultados da investigação que está a efetuar para determinar se a nova variante do SARS-Cov-2 detetada no Reino Unido está a circular em Portugal continental.

A variante genética do SARS-Cov-2 que está a preocupar as autoridades de saúde foi identificada no Reino Unido, em finais de setembro, e apresenta mutações com maior agressividade na capacidade de infeção.

A pandemia de covid-19 provocou pelo menos 1.775.272 mortos resultantes de mais de 81,5 milhões de casos de infeção em todo o mundo, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 6.751 pessoas dos 400.002 casos de infeção confirmados, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

A doença é transmitida por um novo coronavírus detetado no final de dezembro de 2019, em Wuhan, uma cidade do centro da China.

PC (AH) // ZO

Lusa/Fim

+ notícias: País

Mais 677 infeções, cinco mortes e nova redução nos internamentos

Portugal registou nas últimas 24 horas mais 677 casos de infeção pelo coronavírus SARS-CoV-2, cinco mortes atribuídas à covid-19 e nova redução nos internamentos em enfermaria e cuidados intensivos.

Estudo revela que dois em cada 10 idosos não desenvolvem anticorpos após a toma da vacina contra a Covid-19

Um estudo realizado durante um ano, por um grupo de investigadores do Instituto de Investigação do Medicamento, da Faculdade de Fármacia da Universidade de Lisboa, revelou que dois em cada 10 idosos não desenvolvem anticorpos após a toma da vacina contra a Covid-19.

Marta Temido: "Há quantidades para revacinar toda a população contra a Covid-19"

A Ministra da Saúde, Marta Temido, avisa que "há quantidades para revacinar toda a população contra a Covid-19" e alerta que "a máscara não é para deitar fora".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS