Covid-19: Distribuição de vacinas será simultânea e em função da população de cada país

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 29 out 2020 (Lusa) - O primeiro-ministro afirmou hoje que a União Europeia fará uma distribuição equitativa e em função da população de cada Estado-membro da futura vacina anti-covid-19, cabendo a Portugal ter concluído em novembro a estratégia nacional de vacinação.

Esta foi uma das conclusões anunciadas por António Costa no final da reunião extraordinária do Conselho Europeu, que se realizou por videoconferência, numa conferência de imprensa em que também adiantou que nenhum país defendeu uma estratégia de encerramento de fronteiras para responder à pandemia da covid-19.

Dos pontos acordados na reunião de chefes de Estado e de Governo da União Europeia, António Costa destacou a decisão da Comissão Europeia no sentido de "fazer uma distribuição simultânea da vacina pelos 27 Estados-membros em função da sua população".

"Neste momento, há três contratos que já estão assinados e há quatro em negociação [para a aquisição de vacinas]. Cada lote de vacinas será distribuído equitativamente por todos os países em função da população de cada um", frisou o líder do executivo.

Pela parte nacional, António Costa referiu depois que cada Estado-membro "terá de definir a sua própria estratégia de priorização de como será aplicada a vacina na sua população".

"Temos de ter pronta no próximo mês a estratégia nacional de vacinação", adiantou.

PMF // JPS

Lusa/fim

+ notícias: Política

Costa é "trapalhão", "irrealista" e "incompetente". A reação dos partidos à entrevista do PM

O secretário-geral do PSD, Hugo Soares, acusou esta segunda-feira António Costa de ser um primeiro-ministro “trapalhão” e “rendido”, que não consegue apresentar “um projeto mobilizador” para o país.

Costa anuncia Conselho de Ministros dedicado à habitação em 16 de fevereiro

O primeiro-ministro, António Costa, anunciou a realização de um Conselho de Ministros exclusivamente dedicado à política de habitação no próximo dia 16 de fevereiro para aprovar três ordens de medidas.

Costa considera que cada ministro já colocou“a si próprio” questionário do Governo

O primeiro-ministro defendeu esta segunda-feira que cada ministro já colocou “a si próprio” as 36 perguntas aprovadas pelo executivo para os novos governantes, uma vez que o tema foi “longamente discutido” no Conselho de Ministros.