UE/África: Portugal um dos 13 países que contribui para missão militar na RCA

| Mundo
Porto Canal / Agências

Bruxelas, 02 abr (Lusa) - Portugal é um dos 13 países que contribuem para a missão militar da União Europeia na República Centro-Africana, que deverá estar operacional no terreno no final de maio, indicou hoje em Bruxelas o comandante da operação.

O general Philippe Pontiès fez hoje em Bruxelas o ponto da situação da missão "EUFOR RCA", no dia em que se celebrou, à margem da IV Cimeira UE-África, uma "mini-cimeira" sobre a situação na República Centro-Africana, com a participação dos líderes políticos de vários países africanos vizinhos e Estados-membros da UE envolvidos, entre os quais Portugal, que esteve representado pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho.

O general francês especificou os contributos oferecidos por 13 países - 12 Estados-membros da UE e um país terceiro, a Geórgia, que fornece uma companhia de combate -, tendo referido que Portugal participará na força de gendarmaria (força policial militar, através de elementos da Guarda Nacional Republicana), e disponibilizará um avião de transporte C-130, no teatro de operações.

Os outros países que contribuem para a "EUFOR RCA", que no total contará com cerca de 1.000 militares, são França (que já tem 2.000 homens no terreno e participará na missão com uma companhia de combate, meios de transporte e manutenção e gendarmaria), Espanha (forças especiais e contributo para força de gendarmaria), e ainda Estónia, Letónia, Polónia, Itália e Finlândia, também com meios humanos, e Alemanha, Luxemburgo, Reino Unido e Suécia, sendo que estes quatro países contribuem através de meios logísticos, designadamente transporte aéreo estratégico.

A 21 de fevereiro passado, depois de um encontro informal de ministros da Defesa da UE, o ministro José Pedro Aguiar-Branco indicou, em declarações à Lusa, que a participação de Portugal na missão - que deverá prolongar-se até seis meses a partir do momento que esteja operacional - deverá restringir-se a um mês.

"A nossa participação está apontada para um mês. E depois logo se veria se haveria condições ou interesse de ver renovada essa participação. Tem a ver com as condições das estimativas orçamentais para 2014", afirmou.

ACC/ATF/IG/VM // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Eleições no Brasil. Analistas atribuem falha das sondagens a votos de Ciro e indecisos para Bolsonaro

Analistas ouvidos pela Lusa consideram que a discrepância das sondagens com a votação nas eleições presidenciais brasileiras resultou da transferência de votos de Ciro Gomes e de indecisos para Jair Bolsonaro.

Míssil balístico disparado pela Coreia do Norte deixa Japão em sobressalto

A Coreia do Norte disparou esta terça-feira um míssil balístico sobre o Japão, adiantou o gabinete do primeiro-ministro japonês, num teste que originou alertas para moradores e obrigou à suspensão da circulação ferroviária em regiões do nordeste.

Míssil norte-coreano terá "resposta robusta" dos EUA, Japão e Coreia do Sul

Os Estados Unidos estão a preparar com o Japão e a Coreia do Sul uma "resposta robusta" ao lançamento desta terça-feira de um míssil balístico norte-coreano sobre o Japão, afirmou a Casa Branca.