Covid-19: Fitch Solutions prevê recessão de 1,9% no Brasil

| Economia
Porto Canal com Lusa

Nova Iorque, 24 mar 2020 (Lusa) - A consultora Fitch Solutions reviu hoje a perspetiva de evolução da economia brasileira, passando a prever uma recessão de 1,9% este ano devido às dificuldades do mercado financeiro decorrentes da pandemia da covid-19.

"A combinação das dificuldades dos mercados financeiros atingirem os mercados emergentes, menos margem orçamental, procura externa em retração e um número crescente de casos do novo coronavírus vão pesar fortemente no crescimento", alertam os analistas.

Numa nota enviada aos clientes, e a que a Lusa teve acesso, os analistas desta consultora detida pelos mesmos donos da agência de 'rating' Fitch escrevem que "os riscos descendentes continuam, e a previsão de crescimento para estes países é 2,6%, o menor valor médio desde a crise financeira mundial de 2009".

No caso do Brasil, a previsão passou de um crescimento de 1,6%, para uma recessão de 1,9% este ano devido às dificuldades financeiras e ao impacto económico da pandemia do novo coronavírus.

A Fitch Solutions usa a expressão mercados emergentes para designar um conjunto de vários países, entre os quais estão a China, a Índia, as Filipinas, a Indonésia, o Vietname e o Brasil.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 360 mil pessoas em todo o mundo, das quais cerca de 17.000 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

MBA // VM

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

PIB a crescer e défice em baixa em 2023. Conheça as previsões económicas do Conselho de Finanças Públicas

O Conselho das Finanças Públicas (CFP) manteve a previsão de crescimento da economia portuguesa de 1,2% este ano, assinalando a forte desaceleração face a 2022, e alerta para a elevada incerteza internacional.

Euribor sobe a três meses e cai a seis e 12 meses

A taxa Euribor subiu esta terça-feira a três meses e desceu a seis e 12 meses face a segunda-feira. A taxa Euribor a 12 meses, que atualmente é a mais utilizada em Portugal nos créditos à habitação com taxa variável caiu ao ser fixada em 3,322%, menos 0,073 pontos e contra o máximo desde novembro de 2008, de 3,978%, verificado em 09 de março.

Bruxelas elogia cortes "permanentes de despesa" anunciados pelo Governo

A Comissão Europeia saudou hoje o facto de as medidas anunciadas pelo primeiro-ministro se basearem em "reduções permanentes de despesa" e destacou a importância de existir um "forte compromisso" do Governo na concretização do programa de ajustamento.