Info

Idai: Grupo Cooprofar-Medlog doa 1.300 caixas de medicamentos à Cruz Vermelha

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Porto, 29 mar (Lusa) -- O grupo Cooprofar-Medlog, distribuidor de produtos de saúde, doou 1.300 caixas de medicamentos à Cruz Vermelha Portuguesa para esta os entregar às vítimas do ciclone Idai, em Moçambique, já na próxima semana.

Em comunicado, o grupo refere que os medicamentos foram selecionados em função das necessidades identificadas pela Cruz Vermelha Portuguesa no terreno, tratando-se essencialmente de antibióticos, analgésicos e anti-inflamatórios.

"É uma catástrofe de grandes proporções à qual a sociedade civil não pode ficar indiferente porque as doenças vão aumentar no rescaldo de um desastre como este. A contribuição em medicamentos por parte das empresas como o grupo Cooprofar-Medlog é, pois, um inestimável apoio a esta Operação Embondeiro desenvolvida pela Cruz Vermelha Portuguesa em Moçambique", disse o presidente desta instituição, Francisco George, citado na nota.

O maior distribuidor de produtos de saúde de capital exclusivamente português opera, há já mais de duas décadas, através da empresa Mercafar - distribuição farmacêutica, nos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa (PALOP) contando atualmente com várias plataformas e um serviço de apoio a laboratórios farmacêuticos na distribuição e representação de importantes marcas multinacionais.

O número de mortos provocados pelo ciclone Idai e as cheias que se seguiram subiu para 493 em Moçambique, anunciaram hoje as autoridades moçambicanas.

O último balanço, apresentado no centro de operações de socorro da cidade da Beira, aponta ainda para 1.523 feridos e 839.748 pessoas afetadas pelo desastre natural de 14 de março.

Houve 55.463 casas totalmente destruídas, 28.070 destruídas parcialmente e 15.784 inundadas, sendo que a maioria das habitações afetadas são de construção precária.

SYF (LFO) // MSP

Lusa/Fim

+ notícias: Mundo

Covid-19: Vacina Pfizer/BioNTech "é eficaz" contra variante Ómicron com três doses

A vacina contra a covid-19 desenvolvida pelas empresas Pfizer e BioNTech "ainda é eficaz" contra a variante Ómicron do vírus com "três doses", mas "provavelmente" insuficiente com apenas duas, garantiu hoje a BioNTech, em comunicado.

Nova variante do coronavírus chama-se Omicron e é de preocupação

A Organização Mundial da Saúde (OMS) classificou hoje como "de preocupação" a nova variante B.1.1.529 do coronavírus que causa a covid-19, detetada pela primeira vez na África do Sul, e designou-a pelo nome Omicron.

Covid-19: OMS pede revisão de planos de resposta nacionais face a nova variante

Genebra, 08 dez 2021 (Lusa) - O diretor-geral da Organização Mundial da Saúde pediu hoje aos governos para reverem as suas estratégias sanitárias de resposta à covid-19 face à nova variante do vírus da doença, a Ómicron, que parece ser mais contagiosa.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.