Há hospitais a deixar de dar medicamentos em dose unitária por falta de pessoal

| País
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 07 jul (Lusa) -- A Ordem dos Farmacêuticos denunciou hoje que há hospitais públicos a deixar de dar medicamentos em dose unitária aos doentes por dificuldades de pessoal, lembrando que este método dá mais segurança e diminui erros.

Em declarações à agência Lusa, a bastonária dos Farmacêuticos, Ana Paula Martins, referiu que há "serviços em alguns hospitais" onde se deixou de distribuir a medicação por dose unitária, que é uma prática mais segura.

"É quase uma questão civilizacional (...). Nós temos neste momento serviços em hospitais onde não fazemos a dose unitária, onde entregamos [a medicação] em embalagens de medicamentos. Há muitos anos que não fazíamos isto. A dose unitária permite muito menos erros", explicou Ana Paula Martins.

A dose unitária e individual permite reduzir o tempo de enfermagem dedicado à preparação da medicação, permite diminuir os riscos de contaminação do medicamento e os erros de administração.

A representante dos farmacêuticos recorda que todo o circuito do medicamento hospitalar exige "presença humana" e lembra que há défice de farmacêuticos nos hospitais no Serviço Nacional de Saúde (SNS), sobretudo nos últimos quatro ou cinco anos.

No final de junho, a bastonária tinha enviado uma carta ao Ministério da Saúde na qual anunciava que previa uma rutura de prestação de cuidados nos hospitais "como não há memória" a partir de julho, com a passagem às 35 horas a partir do início deste mês.

A situação é tão grave, referia a carta, que "está posta em causa a segurança dos doentes".

A Ordem indicava ainda que "a maioria dos serviços farmacêuticos hospitalares" reporta impactos da falta de pessoas na dispensa de medicamentos aos doentes, nomeadamente na distribuição em dose unitária.

ARP // HB

Lusa/fim

+ notícias: País

Ministério Público anuncia inquérito à compra de aviões pela TAP

O Ministério Público abriu um inquérito à aquisição dos aviões pela TAP, no seguimento de uma auditoria solicitada pelo Governo. A notícia é avançada pelo jornal Observador.

Está decidido. Alunos vão ter que fazer três exames no fim do secundário

O desentendimento entre os ministérios da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior e da Educação chegou ao fim. Na tarde desta segunda-feira, em conferência de imprensa, o ministro da Educação, João Costa, abandonou a ideia de acabar com os exames nacionais no 12º ano.

Governo apoia famílias afetadas pelas cheias em dezembro e janeiro

O Governo declarou as cheias de dezembro e janeiro como ocorrência natural excecional, facultando às famílias afetadas apoios para despesas com danos e isenção/diferimento do pagamento de contribuições para a segurança social, segundo diploma publicado esta segunda-feira.