Técnicos de diagnóstico e terapêutica voltam à greve na segunda-feira

Técnicos de diagnóstico e terapêutica voltam à greve na segunda-feira
| País
Porto Canal com Lusa

Os técnicos de diagnóstico e terapêutica vão voltar à greve na segunda-feira, a quarta este ano, para exigir que o Governo aceite as propostas dos sindicatos de tabela salarial e as regras de transição para a nova carreira.

“Voltamos de novo ao protesto porque o Governo tinha ficado de apresentar em julho uma nova proposta”, sendo que a apresentada em 29 de setembro pela anterior equipa do Ministério da Saúde foi “pouco mais do que nada”, disse hoje à agência Lusa o presidente do Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica (STSS), Luís Dupont.

“Não houve propostas que respondessem à nossa reivindicação relativamente à aplicação da nova tabela salarial” e no que respeita à transição para a nova carreira “os problemas que a proposta do Governo traz consigo são inadmissíveis para este grupo profissional”, sublinhou o dirigente sindical.

Segundo os sindicatos, a tabela salarial imposta pelo Governo, cruzada com o sistema de avaliação e as quotas por categoria, implica que cerca de 90% dos técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica permaneçam na base da carreira toda a sua vida profissional.

Apesar de a equipa do Ministério da Saúde ter mudado, os sindicatos decidiram manter o protesto que já estava agendado.

Luís Dupont contou que, logo após a tomada de posse da nova ministra da Saúde, Marta Temido, foi pedida “uma audiência urgente à ministra”, porque na última reunião com a anterior equipa ministerial, a 29 de setembro, foi dito aos sindicatos que “iam ponderar a sua intenção de encerrar o processo sem acordo dos sindicatos”.

“Nós dissemos que se o fizessem iria levantar-se um valente protesto”, frisou o sindicalista.

As formas de luta podem vir a “agravar-se nas próximas semanas”, porque os trabalhadores não aceitam a proposta apresentada pelo Governo, disse, lembrando que, em setembro e outubro, foram realizados plenários a nível nacional e que há uma moção aprovada que impede os sindicatos de assinarem um acordo conforme as propostas do Governo.

A greve nacional é convocada pelo Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica, pelo Sindicato dos Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica, pelo Sindicato dos Fisioterapeutas Portugueses e pelo Sindicato dos Trabalhadores da Administração Pública e de Entidades com fins públicos.

Os sindicatos protestam contra “a intenção do Governo de encerrar o processo negocial da revisão da carreira” sem acordo com as associações sindicais e exigem uma tabela salarial que respeite as suas habilitações profissionais e a sua aplicação a 01 de janeiro de 2018.

Reclamam ainda ao Governo que aceite as regras de transição para a nova carreira, “o correto descongelamento das progressões” e o “fim de todas as bolsas de horas ilegalmente constituídas, sem o acordo escrito do trabalhador, com o pagamento integral como trabalho extraordinário”.

Os técnicos de diagnóstico e terapêutica são constituídos por 19 profissões e abrangem áreas como as análises clínicas, a radiologia, a fisioterapia, num total de cerca de 10 mil profissionais que trabalham nos serviços públicos de saúde.

+ notícias: País

Mais de 70% dos emigrantes querem regressar a Portugal

Mais de 70% dos portugueses residentes no estrangeiro querem regressar a Portugal, a médio ou longo prazo, e 73% já investiram ou consideram como provável investir no seu país, segundo um inquérito da Sedes divulgado hoje.

Temperaturas sobem a partir de 4.ª e podem atingir 40 graus em algumas regiões

As temperaturas vão subir a partir de quarta-feira em Portugal continental, podendo atingir os 40 graus Celsius na quinta-feira em algumas regiões, levando a um aumento significativo do perigo de incêndio rural, Segundo o IPMA.

TAP: "Reconhecemos que não estamos a oferecer serviço de excelência"

Christine Ourmières-Widener, presidente executiva da TAP, reconheceu, esta segunda-feira, que a companhia aérea não "está a oferecer o serviço de excelência" que planeou, face à crise que o transporte aéreo atravessa e que "este fim de semana não foi fácil para a TAP devido a constrangimentos vários".