O que deve saber sobre o sarampo

O que deve saber sobre o sarampo
| País
Porto Canal (AYR)

Com os 21 casos de sarampo confirmados em Portugal, o Porto Canal esclarece aqui algumas questões sobre a doença e o que a envolve.

O sarampo é uma doença altamente contagiosa, causada por um vírus, e que se propaga por via aérea através de tosse, espirros ou em objetos tocados pela pessoa que contêm o vírus.

Uma pessoa que esteja infetada com sarampo é contagiosa até quatro dias depois de aparecer as primeiras erupções cutâneas na pele.

Nos primeiros dois dias de infeção, o vírus manifesta-se com o aparecimento de pequenos pontos brancos na boca.

O sarampo, hoje em dia, tem uma evolução benigna mas pode desencadear complicações futuras como otite média, pneumonia, convulsões febris e encefalites. Em adultos a doença é mais grave e pode até levar à morte.

Para se prevenir do vírus a forma mais eficaz é através da vacina contra o sarampo, o que entre 2000 e 2015 reduziu a mortalidade de pessoas infetadas com o vírus em quase 80%.

Se já tem as duas doses da vacina ou se já teve a doença em criança considere-se protegido sendo que em Portugal a taxa de imunização contra o sarampo ronda os 95%.

+ notícias: País

Fisco vai avaliar e atualizar matrizes das barragens para cobrar IMI

A Autoridade Tributária e Aduaneira vai fazer uma avaliação e atualização das matrizes das barragens e avançar com a cobrança do IMI desta tipologia de bens, segundo determina um despacho do secretário de Estado dos Assuntos Fiscais, Nuno Félix.

Período de transição entre contratos do SIRESP vai custar ao Estado 7,4 milhões de euros

O período de transição vai custar, ao Estado, 1,2 milhões de euros por mês. De acordo com o Jornal de Notícias, o processo só deverá estar concluído no final de junho.

Inteligência artificial nos tribunais? Juizes querem, mas não para decidir por eles

Os juízes querem levar a inteligência artificial para os tribunais, transformando-a, “numa primeira etapa”, num “assistente judicial eletrónico” que ajude, por exemplo, a escrever sentenças, mas sem que o possa fazer autonomamente, segundo uma proposta de reforma da Justiça.