Vacinas evitaram pelo menos dez milhões de mortes em cinco anos

| Mundo
Porto Canal com Lusa

Redação, 20 abr (Lusa) - As vacinas evitaram pelo menos 10 milhões de mortes entre 2010 e 2015, e protegeram muitos milhões de pessoas de doenças como o sarampo, a pneumonia ou a tosse convulsa, segundo dados da Organização Mundial da Saúde hoje divulgados.

O impulso global para acabar com a poliomielite atingiu a sua fase final, havendo apenas três países que ainda estão a trabalhar para erradicar esta doença debilitante, adianta a OMS em comunicado.

O ambicioso Plano de Ação Global de Vacinas, que tem como o objetivo melhorar o acesso às vacinas em todas as regiões do mundo e, assim, prevenir milhões de mortes até 2020, começou forte, mas está a ficar para trás.

Perante esta situação, a Organização Mundial da Saúde desafia os líderes de saúde mundiais a fazerem da vacinação uma das maiores histórias de sucesso da medicina moderna.

Segundo a OMS, as vacinas têm sido uma das maiores histórias de sucesso da medicina moderna.

A OMS estima que pelo menos dez milhões de mortes tenham sido evitadas entre 2010 e 2015, graças às vacinações realizadas em todo o mundo.

"Muitos milhões de vidas foram protegidas do sofrimento e incapacidade associados a doenças como pneumonia, a diarreia, tosse convulsa, sarampo e poliomielite", sublinha no comunicado.

A Organização Mundial de Saúde salienta ainda que programas de imunização bem-sucedidos também permitem que as prioridades nacionais, como a educação e o desenvolvimento económico, se concretizem.

A vacinação é um dos meios mais baratos e eficazes de prevenir doenças infeciosas graves.

Desde a criação do Programa Expandido de Imunizações (PEI) da Organização Mundial de Saúde, os níveis de imunização com as seis vacinas infantis básicas - difteria, tosse convulsa, tétano, poliomielite, sarampo e tuberculose -, subiram de 5% no início da década de 1980 para cerca de 80% em todo o mundo atualmente.

HN // HB

Lusa/fim

+ notícias: Mundo

Escândalo sexual expulsa Príncipe André do Palácio de Buckingham

O príncipe André, de 62 anos, foi expulso de vez do Palácio de Buckingham, residência oficial da família real britânica, pelo rei Carlos III. Segundo avança o jornal britânico ‘The Sun’, o Duque de York terá dito a amigos próximos que nos detalhes sobre o caso de abuso sexual vão ser públicos em breve.

Mais de 6500 russos ligaram para linha de deserção "Eu quero viver"

Mais de 6500 russos ligaram para a linha de deserção: "Eu quero viver". Trata-se de uma linha direta criada pela Ucrânia em setembro de 2022. 

"Longa vida à Rússia". Pai de Djokovic visto ao lado de apoiantes de Putin no Open da Austrália

Srdjan Djokovic, pai de Novak Djokovic, foi filmado, na noite de quarta-feira, a posar com manifestantes pró-Rússia, envergando bandeiras com a cara de Vladimir Putin e sinais com a letra 'Z', de apoio às forças militares do país.