Info

Diferentes gerações têm preocupações semelhantes, exceto na política

| País
Fonte: Agência Lusa

Lisboa, 16 out (Lusa) - Um estudo sobre as expetativas das três gerações que estão na vida ativa em Portugal revela que as suas preocupações são semelhantes, apenas divergindo em questões de política e segurança nacional.

A desigualdade social é a questão que apresenta um maior nível de coincidência nas preocupações sociais entre gerações, refere o estudo "Interação entre Gerações no Mundo Empresarial: Desafios e Oportunidades", que vai ser divulgado no encontro "De Portugal para o mundo: roteiros de crescimento", que decorre na sexta-feira em Lisboa.

Promovido pela AESE - Escola de Direção e Negócio, o estudo contou com as respostas de 4.150 pessoas de três gerações: Millennials (<35 anos), Geração X (35 <50 anos) e BabyBoomers (> 50 anos) e teve como objetivo caracterizar o perfil de cada geração, através da identificação dos seus interesses, valores e preocupações.

Em declarações à agência Lusa, a autora da investigação, Fátima Carioca, explicou que o estudo pretendeu "conhecer as diferentes gerações que estão na vida ativa e compreender como é que elas convivem, colaboram e aprendem em conjunto nas organizações".

Pretendeu também analisar a perspetiva intergeracional para "compreender as principais barreiras e oportunidades na convivência das várias gerações nas organizações", adiantou Fátima Carioca.

Uma das principais conclusões do estudo foi que, "quer o perfil das gerações, quer a forma como se relacionam, evidenciavam sinais de uma evolução geracional fluída e contínua e que leva uma tendência para a valorização mútua entre gerações", sublinhou.

Segundo Fátima Carioca, os interesses "acabam por ser muito semelhantes" entre as três gerações: "Há uma clara convergência entre gerações, que provavelmente é reveladora de vivências semelhantes".

As várias gerações, nomeadamente a dos maiores de 50 anos e a dos menores de 35 anos, equacionam a possibilidade de irem trabalhar para outro país, o que a investigadora considera que é característico de Portugal, um país de emigração, e do momento que o país está a atravessar.

Em termos laborais, a geração Millennial é que apresenta maior confiança nas suas capacidades e na flexibilidade do mercado de trabalho, com mais de metade a acreditar que estarão a trabalhar noutra empresa, dentro de três a cinco anos.

Apesar de todas as gerações se relevarem seguras relativamente ao que desejam para o seu futuro, os Baby-Boomers são os que apresentam maior grau de autoconhecimento e de autoconfiança.

Fátima Carioca observou que "a relação com a política é nitidamente diferente nas várias gerações, com uma maior proximidade e interesse pela política nas gerações mais velhas".

O estudo também revela que "as grandes causas relacionadas com o bem-comum mobilizam as gerações transversalmente", salientou.

A diferença, por exemplo, para os Millennials é que as suas causas, embora sociais e solidárias, têm muitas vezes uma dimensão mais global (ex. a sustentabilidade ambiental).

Para a autora do estudo, a adequação da vivência política e das estruturas políticas às novas gerações é um dos maiores desafios em termos de sociedade, com a atualidade a exigir "um novo paradigma cultural e, consequentemente, de política".

Sobre o perfil das três gerações, o estudo aponta que os Millennials são otimistas em relação ao futuro, extremamente informais mas exigentes face às suas lideranças, vivendo com sobrecarga de informação, sempre conectados à internet, mas com dificuldade em fazer a correlação de conteúdos.

Já a Geração X procura o equilíbrio entre a vida pessoal e profissional, caracterizando-se pela resiliência e adaptabilidade, sendo céticos politicamente.

Os Babyboomers são fiéis às entidades empregadoras e valorizam o 'status' e o crescimento profissional, tendencialmente revelam-se bastante exigentes com as gerações mais novas.

HN // SO

Lusa/fim

+ notícias: País

Desagravamento da seca no continente em novembro, Algarve mantém seca extrema

Portugal continental registou em novembro um desagravamento da seca meteorológica, mas no sotavento algarvio manteve-se em situação de seca extrema, segundo o Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA).

Metade dos hospitais EPE em falência técnica no ano passado

Metade dos hospitais EPE estavam no ano passado em falência técnica, segundo uma análise do Conselho das Finanças Públicas hoje divulgada.

Estudo aponta graves problemas no processo de descentralização que está em curso

Um estudo da Faculdade de Economia do Porto que aponta graves problemas no processo de descentralização que está em curso. A dimensão dos municípios, a falta de financiamento adequado e os prazos demasiado curtos são os aspetos que levam a concluir que o modelo de descentralização não é bom para o País.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.