Info

Tribunal rejeita impedimento de candidato CDU à Câmara de Alcácer do Sal

Tribunal rejeita impedimento de candidato CDU à Câmara de Alcácer do Sal
| Política
Porto Canal

O Tribunal de Comarca do Alentejo Litoral, Santiago do Cacém, indeferiu a providência cautelar interposta pelo Movimento Revolução Branca, que defendia o impedimento da candidatura de Vítor Proença (CDU) à Câmara de Alcácer do Sal, informou hoje o candidato.

O antigo presidente da Câmara Municipal de Santiago do Cacém, Vítor Proença, agora concorrente ao município vizinho após exercer três mandatos seguidos, revelou à Lusa a decisão judicial, na qual o juiz argumentou que a Lei eleitoral "estabelece garantias que afastam o perigo invocado pelos requerentes".

Segundo o juiz, aquela lei também "permite a verificação da ineligibilidade por parte do poder judicial", aquando da formalização das candidaturas e apresentação das listas, embora admitindo eventual recurso para o Tribunal Constitucional.

Vários tribunais têm decidido de forma díspar sobre as candidaturas de presidentes de câmara com três ou mais mandatos a outras autarquias, como os sociais-democratas Fernando Seara, em Lisboa, ou Luís Filipe Menezes, no Porto.

"Registo esta decisão positivamente. Considero que é um passo relativamente à nossa candidatura. Queremos mudar Alcácer para melhor, no sentido do progresso. Há 16 casos do género em todo o país. A contestação da CDU foi aceite e foi considerada extemporânea a providência cautelar do MRB", congratulou-se Proença.

A 14 de fevereiro, o Movimento Revolução Branca (MRB) anunciou a interposição de sete ações populares para impedir várias candidaturas autárquicas: além da de Fernando Seara (presidente da autarquia de Sintra) e Luís Filipe Menezes (Vila Nova de Gaia), ficaram também em causa Fernando Costa (Caldas da Rainha) a Loures, António Sebastião (Almodôvar) a Beja, Francisco Amaral (Alcoutim) a Castro Marim, Pedro Lancha (Fronteira) a Estremoz e José Estevens (Castro Marim) a Tavira. Os nomes foram aumentando com a aproximação das eleições de 29 de setembro.

A 19 de fevereiro, um dia antes do Movimento Transparência e Integridade também ter entregado providências cautelares para travar as candidaturas de Seabra e de Menezes, o atual presidente da Câmara de Sintra e designado candidato pelo PSD a Lisboa viu o tribunal aceitar a providência cautelar do MRB.

No dia seguinte, porém, o tribunal de Loures assumiu posição diferente, ao considerar "inoportuna" a providência cautelar interposta pelo MRB para impedir a candidatura de Fernando Costa (PSD) à presidência daquele município.

Menezes conheceu a 21 de fevereiro que a providência cautelar para impedir a sua candidatura ao Porto fora aceite em tribunal e, a 20 de março, o Tribunal Cível de Lisboa impediu Seara de se candidatar à Câmara de Lisboa para "evitar a perpetuação de cargos" políticos e que um autarca possa andar "a saltar de câmara em câmara".

O Tribunal da Relação de Lisboa (TRL) decidiu manter a decisão do Tribunal Cível de Lisboa, continuando Fernando Seara impedido de se candidatar, mas, ainda hoje foi conhecido um despacho a admitir o recurso para o Tribunal Constitucional.

Em 05 de abril, o tribunal de Tavira rejeitou a providência cautelar do MRB para travar a candidatura do presidente da Câmara de Castro Marim, José Estevens, àquela autarquia e, mais recentemente, o tribunal da Guarda decidiu que o movimento carece de "legitimidade processual", por não ser titular "do direito de ação popular reivindicado", na questão sobre a candidatura de Álvaro Amaro (Gouveia) à presidência da Câmara da Guarda.

Em Évora, o tribunal decidiu, igualmente, rejeitar a providência cautelar para impedir a candidatura de Carlos Pinto de Sá (Montemor-o-Novo) pela CDU àquela Câmara, entendimento diferente dos juízos cíveis do Porto que, a 15 de abril, determinaram que Menezes não se podia candidatar.

Contudo, em 14 de maio, um tribunal do Porto suspendeu uma providência cautelar, depois de a ter aceitado, e a candidatura de Menezes diz que continuará a trabalhar "sem qualquer problema".

Já mais recentemente, o MRB anunciou que o tribunal "aceitou liminarmente" a ação principal intentada contra o PSD e a candidatura de Luís Filipe Menezes à Câmara do Porto.

+ notícias: Política

Deputado do PS afirma que casos de alegada corrupção prejudicam a 'luta' pela regionalização

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, afirma que sempre que existem casos noticiados de alegada corrupção "os adversários da regionalização acabam por ganhar alguns argumentos, mesmo que sejam populistas".

Operações 'Teia' e 'Rota Final': Partidos pedem mais meios e condições para que a justiça funcione rápido

Em pouco mais de duas semanas, Portugal viveu dois escândalos de corrupção que envolvem autarquias do Norte e suspeitas de favorecimento a empresas privadas. O primeiro foi a Operação 'Teia' com nomes ligados ao PS. O segundo é a Operação 'Rota Final', com figuras do PSD. O Porto Canal foi ouvir o que pensam as concelhias partidárias sobre isto e todas admitem que são precisos mais meios e condições para que a justiça funcione rápido.

Tiago Barbosa Ribeiro espera que a regionalização esteja no programa eleitoral do PS

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, defende que sem regionalização não se resolvem os problemas da desigualdade territorial e como tal, espera "que a regionalização esteja" no programa eleitoral do PS.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.