Info

“Relatório-sombra” da oposição sobre o inquérito às compras de material militar destaca contradições de Portas, Durão e Santos Pereira

“Relatório-sombra” da oposição sobre o inquérito às compras de material militar destaca contradições de Portas, Durão e Santos Pereira
| Política
Porto Canal

O relatório alternativo da oposição sobre o inquérito às compras de material militar por Portugal aponta contradições aos responsáveis políticos Paulo Portas, Durão Barroso e Álvaro Santos Pereira face a documentos e outros depoimentos obtidos.

O documento "Relatório viciado, Inquérito inacabado", apresentado hoje, antes da derradeira reunião da comissão parlamentar de inquérito que servirá para votar o documento final defendido pela maioria, salienta que o texto da relatora social-democrata Mónica Ferro "não tem condições de seriedade, de coerência e de consistência para poder ser aprovado".

"A maioria PSD/PP abortou as investigações num ponto que em tudo justificava que as mesmas fossem aprofundadas e ampliadas, designadamente juntando ao processo documentos obtidos junto do Ministério Público e provenientes das autoridades alemãs", lê-se no texto, que reitera a necessidade de inquirir "novas testemunhas" e de voltar a ouvir outras.

Os deputados socialistas, comunistas e bloquistas recordam que a comissão presidida pelo democrata-cristão Telmo Correia "estava em pleno funcionamento quando foram divulgados destinatários dos montantes pagos pela Ferrostaal a portugueses.

"Cabia à comissão um papel relevante na descoberta da ‘sexta pessoa', solicitando o depoimento de elementos do BES envolvidos no processo. Nesse preciso momento a maioria interrompeu as inquirições e fechou portas a novas diligências essenciais", queixam-se.

Para os parlamentares de PS, PCP e BE, existem "contradições nas declarações do ex-primeiro-ministro Durão Barroso e do ex-ministro da Defesa Paulo Portas", pois "são contraditadas por documentos e depoimentos obtidos", bem como em "declarações do ex-ministro do atual Governo Álvaro Santos Pereira "contraditadas pelos próprios pareceres" que fundamentaram a substituição de contrapartidas por cumprir pelo projeto turístico Alfamar.

O texto da oposição critica ainda a "não-indicação de responsáveis políticos por situações de incumprimento (ou mísera execução) de contrapartidas" dada a "enumeração que o relatório faz dos graves problemas ocorridos no domínio das contrapartidas".

Em conclusão, PS, PCP e BE afirmam que o relatório "deixa sem resposta quesitos essenciais", dedica-se ao "branqueamento das pré-contrapartidas dos submarinos", "omite factos públicos e notórios" e tem "vontade de abafar o debate estratégico sobre a compra de submarinos".

Socialistas, comunistas e bloquistas acrescentam que houve assim uma "desvalorização da história parlamentar", além de uma "seleção tendenciosa de depoimentos obtidos", com "tentativas de encobrimento", designadamente da empresa do universo Espírito Santo, a Escom, o "procedimento anómalo no leilão bancário" e o "papel do ex-ministro Santos Pereira no desfecho do julgamento do caso das contrapartidas falsas".

+ notícias: Política

Deputado do PS afirma que casos de alegada corrupção prejudicam a 'luta' pela regionalização

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, afirma que sempre que existem casos noticiados de alegada corrupção "os adversários da regionalização acabam por ganhar alguns argumentos, mesmo que sejam populistas".

Operações 'Teia' e 'Rota Final': Partidos pedem mais meios e condições para que a justiça funcione rápido

Em pouco mais de duas semanas, Portugal viveu dois escândalos de corrupção que envolvem autarquias do Norte e suspeitas de favorecimento a empresas privadas. O primeiro foi a Operação 'Teia' com nomes ligados ao PS. O segundo é a Operação 'Rota Final', com figuras do PSD. O Porto Canal foi ouvir o que pensam as concelhias partidárias sobre isto e todas admitem que são precisos mais meios e condições para que a justiça funcione rápido.

Tiago Barbosa Ribeiro espera que a regionalização esteja no programa eleitoral do PS

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, defende que sem regionalização não se resolvem os problemas da desigualdade territorial e como tal, espera "que a regionalização esteja" no programa eleitoral do PS.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

1ª Bienal de Fotografia do Porto:...