Info

Durão e Guterres optaram por responder por escrito à comissão de inquérito sobre a compra de material militar

| Política
Fonte: Agência Lusa

Lisboa, 16 set (Lusa) - Os ex-primeiros-ministros portugueses Durão Barroso e António Guterres preferiram responder por escrito à comissão de inquérito sobre a compra de material militar, informou hoje o deputado do CDS-PP Telmo Correia, que lidera os trabalhos.

A convocatória do presidente da Comissão Europeia cessante foi avançada pelo Bloco de Esquerda, secundada por PS e PCP, tendo a maioria, que se mostrara contrária à audição de antigos líderes de executivos, pedido a presença do atual Alto-Comissário para os Refugiados das Nações Unidas por "questões de equidade".

Ambos os requerimentos foram aprovados, mas existe a prerrogativa para Presidentes da República, Primeiros-ministros, assim como antigos titulares daqueles cargos de deporem por escrito, sem necessidade de se deslocarem ao Parlamento, algo justificado por Barroso e Guterres até pelo facto de se encontrarem no estrangeiro e em trânsito constante.

Os grupos parlamentares ficaram comprometidos a elaborar os respetivos questionários até às 18:00, devendo depois a mesa da Comissão Parlamentar de Inquérito aos Programas de Aquisição de Equipamentos Militares (aeronaves EH-101, P-3 Orion, C-295, F-16, torpedos, submarinos U-209 e blindados Pandur II) coligir as perguntas a serem enviadas.

Durão Barroso liderou o governo de coligação PSD/CDS-PP de 2002 a 2004, Guterres foi primeiro-ministro dos executivos minoritários socialistas entre 1995 e 1999 e entre 1999 e 2002.

HPG // SMA

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Só 17% dos portugueses diz ser "extremamente provável" ir votar nas eleições Europeias

Apenas 17% dos portugueses considera ser extremamente provável ir às urnas nas próximas eleições europeias, a terceira percentagem mais baixa na União Europeia (UE), revela o Eurobarómetro publicado hoje pelo Parlamento Europeu (PE).

Presidente da Câmara da Maia mostra-se tranquilo e diz que confia na Justiça

O autarca da Câmara Municipal da Maia diz estar tranquilo com a ação interposta pela oposição e que culminou com a perda de mandato. António Silva Tiago mantem-se em funções até que seja decidido o recurso.

Presidente da República considera "irrealista" qualquer reforma do SNS que "feche totalmente" a porta aos privados

O Presidente da República considera que qualquer proposta de reforma da Lei de Bases da Saúde que feche totalmente a hipótese da sua gestão por privados "é uma lei irrealista", mas a proposta do Governo "abre essa hipótese".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS