Info

Produção total de petróleo da Arábia Saudita retomada até final do mês

| Economia
Porto Canal com Lusa

Jidá, Arábia Saudita, 17 set 2019 (Lusa) - O ministro da Energia da Arábia Saudita, Abdulaziz bin Salman, disse hoje em conferência de imprensa que a produção total de petróleo no país será retomada até ao final de setembro.

Em conferência de imprensa, o ministro saudita afirmou também que 50% da produção de petróleo cortada devido a um ataque ao maior campo petrolífero do país, no sábado, já foi restabelecida.

O ministro adiantou também que, até ao final do mês, a capacidade de produção diária do país será de 11 milhões de barris, quando antes do ataque a cifra se situava em 9,6 milhões.

Abdulaziz bin Salman manifestou também a vontade de que a produção chegue aos 12 milhões de barris por dia até novembro.

O ministro afirmou ainda que a Aramco, empresa afetada, conseguiu "controlar os danos" e compensar a diminuição de produção nas estruturas afetadas através de aumentos de produção noutros campos petrolíferos.

"As exportações do reino não vão diminuir", assegurou o ministro Abdulaziz bin Salman, também membro da família real saudita.

Na mesma conferência de imprensa, o presidente executivo da Aramco, Amin al Nasser, disse também que o campo de Abqaiq, afetado pelos ataques, continuou a produzir diariamente dois milhões de barris de crude.

Yassir al-Roumayyan, outro responsável da Aramco, referiu ainda que os planos de entrada da empresa em bolsa se irão manter.

O ataque de sábado ao maior campo petrolífero do mundo, na Arábia Saudita, reivindicado pelos rebeldes Huthis do Iémen, atingiu a produção de 5,7 milhões de barris de petróleo por dia no país, o equivalente a 5% da produção diária mundial.

Na segunda-feira, os preços do petróleo subiram 14%, a maior subida diária em anos, tendo hoje já registado uma diminuição.

JE // CSJ

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Trabalhadores de misericórdias em greve na sexta-feira por aumentos salariais

Os trabalhadores da União das Misericórdias Portuguesas e das Misericórdias entregaram um pré-aviso de greve para a próxima sexta-feira por melhores condições de trabalho e aumentos salariais.

Norte continua a ser a região mais pobre

O Norte do país continua a ser fustigado pelos níveis de pobreza. Há mais de 800 mil pessoas abaixo do limiar aceitável de condições de vida. 

"Talvez tenhamos que vender parte do território nacional a quem o queira vender"

Lino Maia, da Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade, perante os dados que demonstram que a região Norte de Portugal é a mais afetada pela pobreza, afirma que "talvez tenhamos que vender parte do território nacional a quem o queira vender". O INEM revela que no Norte existem 814 mil pessoas consideradas pobres, enquanto que a Área Metropolitana de Lisboa conta com 474 mil pessoas, dados de 2018.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.