Info

Construção de novo troço ferroviário da Linha do Alentejo arranca na quinta-feira

| Política
Porto Canal com Lusa

Alandroal, Évora, 11 set 2019 (Lusa) - A fase de construção do troço ferroviário Freixo/Alandroal, do Corredor Internacional Sul, que vai ligar o Porto de Sines à fronteira do Caia (Elvas), arranca na quinta-feira, com o início da instalação do estaleiro da obra.

Fonte oficial da Infraestruturas de Portugal (IP) revelou hoje à agência Lusa que a montagem do estaleiro se segue à assinatura do auto de consignação, cuja cerimónia está marcada para esta tarde, em Alandroal, no distrito de Évora.

A cerimónia "é o ato formal de início das obras", referiu a mesma fonte, assinalando que, após a assinatura do auto de consignação, será montado o estaleiro e "as obras no terreno começam após esta fase preparatória".

Segundo a fonte da IP, o contrato para a construção do troço ferroviário Freixo/Alandroal, no valor de 74,7 milhões de euros, foi assinado em abril deste ano com a MOTA-ENGIL, Engenharia e Construção, S.A., empresa à qual foi adjudicada a obra.

A fonte da empresa pública precisou que o troço Freixo/Alandroal, com uma extensão de 20,5 quilómetros, é o primeiro a entrar em obra dos três que compõem o novo percurso da Linha de Évora: Évora Norte/Freixo, Freixo/Alandroal e Alandroal/Linha do Leste.

O troço Évora Norte/Freixo, no concelho de Redondo, igualmente com 20,5 quilómetros de extensão, foi adjudicado em 11 de fevereiro, conta com um investimento de 46,6 milhões de euros e um prazo de execução de 540 dias.

"O novo troço da Linha de Évora, constituído pelos troços Évora Norte/Freixo, Freixo/Alandroal e Alandroal/Linha do Leste, terá uma extensão total de cerca de 100 quilómetros, 80 dos quais de construção nova, em via única eletrificada (25 kV-50 Hz) sobre plataforma para via dupla, balastrada com carril UIC60 e travessa de betão polivalente (preparada para receber a bitola europeia)", explicou anteriormente a IP.

A empreitada do troço Freixo/Alandroal, desenvolvida no âmbito do programa Ferrovia 2020, envolve, entre outros trabalhos, a construção da infraestrutura de via-férrea, incluindo terraplenagem e sistema de drenagem e a criação de uma estação técnica.

Além disso, vão ser construídas cinco pontes (com extensões que variam entre os 148 metros e os 664 metros) e quatro viadutos ferroviários (entre os 310 e os 614 metros de extensão), assim como 16 obras de arte para a criação de desnivelamentos rodoviários.

A execução de caminhos paralelos e caminhos de acesso e emergência contíguos, a vedação do canal ferroviário e trabalhos preparatórios para a colocação de sistemas de Retorno de Corrente de Tração e Terras de Proteção, telecomunicações, catenária e sinalização estão também incluídos na empreitada.

O contrato assinado entre a IP e a empresa adjudicatária é cofinanciado pela União Europeia, através do programa Connecting Europe Facility, ao abrigo de contratos de cofinanciamento com comparticipações que variam entre os 40% e os 50%.

Durante a cerimónia desta tarde, também será assinado um protocolo entre a IP e vários os municípios da zona dos mármores e do Alqueva para a realização de um estudo de viabilidade económica sobre a criação de um terminal de carga e descarga, no concelho de Alandroal.

SYM (RRL) // ROC

Lusa/Fim

+ notícias: Política

CDU quer retirar de confiança ao Porto de Leixões se obra for adjudicada antes do estudo ambiental

A CDU vai pedir que seja retirada a confiança à entidade que gere o Porto de Leixões caso avancem as obras de ampliação sem o estudo de impacto ambiental. Uma intenção expressa na moção que o partido vai apresentar na Assembleia Municipal de Matosinhos na próxima segunda-feira.

Rui Rio preocupado com "intolerável aumento de violência no desporto"

O presidente do PSD considerou, esta segunda-feira, que o que se passou no domingo no jogo entre Vitória de Guimarães e Porto "tem óbvios contornos racistas", mas defendeu que evidencia, acima de tudo, "um intolerável aumento de violência no desporto".

PCP quer regionalização do país até 2021 - Jerónimo de Sousa

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, voltou hoje a defender a regionalização do país até 2021, considerando que "esta é a hora de se concretizar este imperativo constitucional que se mantém adiado há mais de quatro décadas".

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

RELACIONADAS

DESCUBRA MAIS

N'Agenda

"Nasci em Lisboa mas digo sempre vou...

D'Mais

Travelhood - Roteiros na natureza para...