Info

Câmara do Porto envia equipas e 100 mil euros para hospital em Moçambique

Câmara do Porto envia equipas e 100 mil euros para hospital em Moçambique
| Política
Porto Canal com Lusa

A Câmara do Porto revelou esta quarta-feira à Lusa que vai disponibilizar “apoio de equipas pós-catástrofe” e 100 mil euros para a “reconstrução do hospital” da Beira, em Moçambique, de acordo com “necessidades” já identificadas por organizações não-governamentais.

Numa resposta enviada a questões da Lusa, a autarquia do Porto explica que, “além de disponibilizar o apoio de equipas pós-catástrofe, irá, no âmbito da geminação [com a cidade da Beira], disponibilizar 100 mil euros para a reconstrução do hospital” daquela localidade, que a organização Médicos Sem Fronteiras alertou ter ficado “seriamente danificado" devido à passagem do ciclone Idai.

O município adiantou que “está também a articular com a Associação Portugal Moçambique outro tipo de apoio”.

Quanto às equipas pós-catástrofe e aos 100 mil euros para a cidade da Beira, a autarquia esclareceu que esta ajuda vai ser dada “de acordo com as necessidades já identificadas pela ONGD [Organização Não-Governamental para o Desenvolvimento] com sede no Porto, a Health4Moz”.

Esta entidade “presta já apoio no local e está articulada” com a autarquia portuense, acrescentou o município.

A Câmara explicou que só “após o período de emergência, que ainda decorre, serão quantificadas as necessidades” relativamente às equipas a enviar para Moçambique.

“Só nessa altura, de pós-catástrofe, o município do Porto estará em condições de enviar uma equipa multidisciplinar para a cidade da Beira, que dependerá das necessidades que forem reportadas”, observou.

A passagem do ciclone Idai em Moçambique, Maláui e Zimbabué já provocou mais de 300 mortos, segundo balanços provisórios divulgados pelos respetivos governos.

Em Moçambique, o Presidente da República, Filipe Nyusi, anunciou na terça-feira que mais de 200 pessoas morreram e 350 mil “estão em situação de risco”, tendo decretado o estado de emergência nacional.

O país vai ainda cumprir três dias de luto nacional, até sexta-feira.

O Idai, com fortes chuvas e ventos de até 170 quilómetros por hora, atingiu a Beira (centro de Moçambique) na quinta-feira à noite, deixando os cerca de 500 mil residentes na quarta maior cidade do país sem energia e linhas de comunicação.

A Cruz Vermelha Internacional indicou na terça-feira que pelo menos 400 mil pessoas estão desalojadas na Beira, em consequência do ciclone, considerando tratar-se da “pior crise” do género no país.

O secretário de Estado das Comunidades Portuguesas, José Luís Carneiro, viajou para a Beira, onde dezenas de portugueses perderam casas e bens devido ao ciclone Idai, para acompanhar o levantamento das necessidades e o primeiro apoio às populações afetadas.

No Zimbabué, as autoridades contabilizaram pelo menos 82 mortos e 217 desaparecidos, enquanto no Malaui as únicas estimativas conhecidas apontam para pelo menos 56 mortos e 577 feridos.

+ notícias: Política

Deputado do PS afirma que casos de alegada corrupção prejudicam a 'luta' pela regionalização

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, afirma que sempre que existem casos noticiados de alegada corrupção "os adversários da regionalização acabam por ganhar alguns argumentos, mesmo que sejam populistas".

Operações 'Teia' e 'Rota Final': Partidos pedem mais meios e condições para que a justiça funcione rápido

Em pouco mais de duas semanas, Portugal viveu dois escândalos de corrupção que envolvem autarquias do Norte e suspeitas de favorecimento a empresas privadas. O primeiro foi a Operação 'Teia' com nomes ligados ao PS. O segundo é a Operação 'Rota Final', com figuras do PSD. O Porto Canal foi ouvir o que pensam as concelhias partidárias sobre isto e todas admitem que são precisos mais meios e condições para que a justiça funcione rápido.

Tiago Barbosa Ribeiro espera que a regionalização esteja no programa eleitoral do PS

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, defende que sem regionalização não se resolvem os problemas da desigualdade territorial e como tal, espera "que a regionalização esteja" no programa eleitoral do PS.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.