Info

Mota Pinto adverte que conduta de Montenegro no PSD será julgada por militantes e eleitores

| Política
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 14 jan (Lusa) - O antigo vice-presidente do PSD Paulo Mota Pinto considerou hoje inoportuna a crise interna no PSD aberta por Luís Montenegro e advertiu que essa conduta não escapará ao julgamento dos militantes, nem à perceção democrática dos eleitores.

Estes avisos foram deixados por Paulo Mota Pinto em declarações à agência Lusa, depois de questionado sobre como encara a iniciativa do antigo líder parlamentar social-democrata Luís Montenegro, anunciada na sexta-feira, no sentido de desafiar Rui Rio a disputar com ele a liderança do partido.

"Verificou-se nos últimos dias uma tentativa de corte no ciclo democrático em curso no PSD há um ano, que resultou da eleição direta do líder e do congresso de fevereiro de 2018. Isto, num momento em que é cada vez mais clara a fragilidade crescente do governo socialista apoiado pela extrema-esquerda e a contraposição de propostas formuladas pelo PSD.", afirmou Paulo Mota Pinto, atualmente presidente do Conselho Nacional do PSD.

Ainda sobre a atual situação interna no seu partido, Paulo Mota Pinto adiantou que, na sua perspetiva, "toda a ação política democrática se dirige a um julgamento".

"Pressupõe programação, sentido da responsabilidade, estabilidade e tempo, tanto no Estado como nos partidos. Considero muito inconveniente interromper neste momento esse ciclo normal e impedir o balanço dos mandatos no tempo em que é devido", disse.

Mas o antigo vice-presidente social-democrata na liderança de Manuel Ferreira Leite vai ainda mais longe na sua crítica à iniciativa de Luís Montenegro: "Acresce que se trata de uma tentativa de interrupção já em período de preparação de eleições, o que acentua ainda mais a sua inoportunidade e não escapa também certamente ao julgamento dos militantes e à perceção democrática dos eleitores", frisou.

Na sexta-feira, o antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro manifestou disponibilidade para se candidatar à liderança e desafiou Rui Rio, que completou no domingo um ano de mandato, a convocar eleições diretas antecipadas de imediato.

"A minha resposta é não", afirmou no sábado Rui Rio, em relação ao repto de convocar eleições, anunciando, por outro lado, que pediu a convocação de um Conselho Nacional extraordinário para que o órgão aprecie e vote uma moção de confiança à sua direção.

"Se for esse o seu entendimento, o Conselho [Nacional] pode retirar a confiança à direção nacional e assumir democraticamente a responsabilidade de a demitir. Se os contestatários não conseguiram reunir as assinaturas para a apresentação de uma moção de censura, eu próprio facilito-lhes a vida e apresento [...] uma moção de confiança", acrescentou o presidente do PSD.

PMF (SMA) // ZO

Lusa/fim

+ notícias: Política

Tiago Barbosa Ribeiro espera que a regionalização esteja no programa eleitoral do PS

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, defende que sem regionalização não se resolvem os problemas da desigualdade territorial e como tal, espera "que a regionalização esteja" no programa eleitoral do PS.

Deputado do PS afirma que casos de alegada corrupção prejudicam a 'luta' pela regionalização

Tiago Barbosa Ribeiro, deputado do PS, afirma que sempre que existem casos noticiados de alegada corrupção "os adversários da regionalização acabam por ganhar alguns argumentos, mesmo que sejam populistas".

Operações 'Teia' e 'Rota Final': Partidos pedem mais meios e condições para que a justiça funcione rápido

Em pouco mais de duas semanas, Portugal viveu dois escândalos de corrupção que envolvem autarquias do Norte e suspeitas de favorecimento a empresas privadas. O primeiro foi a Operação 'Teia' com nomes ligados ao PS. O segundo é a Operação 'Rota Final', com figuras do PSD. O Porto Canal foi ouvir o que pensam as concelhias partidárias sobre isto e todas admitem que são precisos mais meios e condições para que a justiça funcione rápido.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.