Info

Patrões admitem acordo na Concertação Social para 600 euros, centrais sindicais recusam

| Economia
Porto Canal com Lusa

Lisboa, 07 dez (Lusa) -- As confederações patronais admitiram hoje um acordo na Concertação Social para aumentar o salário mínimo nacional, desde que seja para 600 euros em 2019, mas as centrais sindicais recusaram, exigindo um montante superior.

As posições dos parceiros sociais foram transmitidas aos jornalistas à entrada de uma reunião da Concertação Social onde será discutido esta tarde o aumento do salário mínimo, atualmente de 580 euros.

O presidente da Confederação do Comércio e Serviços de Portugal (CCP), João Vieira Lopes, voltou a dizer que tem a expectativa de que a subida não seja para um valor superior a 600 euros, considerando que no Orçamento do Estado não foram acauteladas medidas que favorecessem as empresas.

"O mais razoável é o Governo cumprir o seu programa e ficar nos 600 euros", disse, acrescentando que a CCP dará o seu acordo se isso acontecer.

Também o presidente da Confederação do Turismo Português (CTP), Francisco Calheiros, declarou que a atualização do salário mínimo para 600 euros "terá" o acordo da confederação.

"Estamos a aguardar com expectativa o que virá desta segunda reunião", disse Francisco Calheiros.

Já o presidente da Confederação dos Agricultores de Portugal (CAP), considerou que 600 euros é um valor que "faz parte do acordo anterior" e, portanto, não se trata de haver acordo, mas sim de "uma imposição".

Do lado das centrais sindicais, a dirigente da UGT Lucinda Dâmaso voltou a defender 615 euros e sublinhou que se assim não for "obviamente que não terá o acordo" a central sindical.

O valor de 600 euros "foi um acordo com o Bloco de Esquerda e não com a UGT", disse Lucinda Dâmaso.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, defendeu 650 euros e disse que 600 euros "é pouco" mas não indicou se a intersindical aceitará esse valor.

DF // MSF

Lusa/Fim

+ notícias: Economia

Rendimentos operacionais do Banco CTT sobem 27% para 23,6 ME em 2018

Os rendimentos operacionais recorrentes do Banco CTT subiram 27% no ano passado, face a 2017, para 23,6 milhões de euros, "sobretudo alavancado pelo crescimento da margem financeira (aumento de 4,5 milhões de euros), anunciaram esta quarta-feira os CTT.

Deco recebeu 29.350 pedidos de ajuda de famílias sobre-endividadas em 2018

A Deco recebeu 29.350 pedidos de ajuda de famílias em situação de sobre-endividamento, valor que supera os pedidos registados um ano antes e que chegou maioritariamente de pessoas entre os 40 e os 65 anos de idade.

Taxa turística do Porto rendeu 10,4 milhões de euros com 5,2 milhões de dormidas em 2018

A Câmara do Porto angariou 10,4 milhões de euros em 2018 com a taxa turística que começou a ser cobrada em março e se aplicou a “mais de 5,2 milhões de dormidas”, revelou esta terça-feira o vereador da Economia.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.