Info

Albuquerque espera que Costa retifique resolução sobre construção do Hospital da Madeira

| Política
Porto Canal com Lusa

Funchal, 10 out (Lusa) - O presidente do Governo Regional da Madeira considerou hoje que a resolução publicada no Diário da República sobre a construção do novo hospital contradiz o primeiro-ministro, que afirmou que o Estado iria financiar a obra em 50%.

Miguel Albuquerque manifestou-se "surpreendido" pelo teor da resolução do Conselho de Ministros de 27 de setembro, hoje publicada no Diário da República, esperando que António Costa faça a respetiva retificação sob pena de "faltar à sua palavra".

"Neste momento o que consta da resolução são 30% [do financiamento]. Eu acho que é fundamental retificar essa resolução", disse o governante madeirense à margem de uma visita à Academia de Línguas da Madeira.

"Fiquei muito surpreendido, eu não acredito que o primeiro-ministro tenha lido aquela resolução porque, quando o senhor primeiro-ministro esteve aqui, na Madeira, na última vez, comprometeu-se com a Região Autónoma da Madeira, com os madeirenses e porto-santenses a financiar 50% da infraestrutura hospitalar e os equipamentos, foi isso que foi dito literalmente pelo primeiro-ministro e eu acho que a palavra de um primeiro-ministro, numa democracia europeia, tem peso", sublinhou.

Miguel Albuquerque espera, assim, que o primeiro-ministro perceba que a resolução "contradiz aquela que foi a palavra dele".

"E isto não tem nada a ver com partidos políticos, tem a ver, apenas, com as relações de confiança entre instituições democráticas", observou.

O chefe do governo madeirense chama ainda a atenção para o facto de a resolução introduzir "um fator completamente disfuncional e que nem sequer é legal".

E explica: "faz uma avaliação do Hospital dos Marmeleiros em 9,5 milhões de euros e introduz a alienação potencial do hospital como parte integrante do dinheiro que o Estado vai pôr aqui para o financiamento do hospital, e isso não pode acontecer porque o terreno é da região, mas o Hospital dos Marmeleiros é da Santa Casa da Misericórdia, nem sequer é da região e nem sequer pode ser alienado".

"Nós não vamos introduzir algo que não é nosso", diz.

Acrescenta que o mesmo acontece com o Hospital Dr. Nélio Mendonça, que é avaliado em 63 milhões de euros.

"O Governo da Madeira não pode alienar património seu para compensar o financiamento do Estado porque é património da Madeira", realça, concluindo que a resolução está contaminada de "mal-entendidos" e é "insólita".

Por isso, Miguel Albuquerque considera que a resolução "não tem pés, nem cabeça, nem nenhum sentido" e "não faz ideia nenhuma" de como esses números foram colocados.

"A minha posição, neste momento, é de confiar na palavra do senhor primeiro-ministro, eu acho que o senhor primeiro-ministro está de boa-fé. Nenhum primeiro-ministro vem, aqui, à Madeira, para dizer que vai financiar em 50% o hospital e, depois, vai pôr numa resolução 30%", refere.

"Isso é, de facto, o descrédito absoluto, quer do Governo, quer da palavra do primeiro-ministro, que é sagrada", remata.

O Conselho de Ministros anunciou, há duas semanas, que iria comparticipar o novo Hospital da Madeira até um montante de 132 milhões de euros, contudo, na resolução do Diário da República aparece apenas o valor de 96 milhões de euros e distribuído por seis anos.

Segundo o Diário da República, no Orçamento do Estado para 2019 será inscrita uma verba de 14.062.505,03 euros, sendo de 21 ME em 2020 e superior a 15 ME nos quatro anos seguintes, até 2024, ressalvando que este montante acontece "após dedução do valor de avaliação global a devoluto dos Hospitais Dr. Nélio Ferraz Mendonça e dos Marmeleiros".

EC // MCL

Lusa/Fim

+ notícias: Política

Hospitais privados desconhecem parecer da PGR e contestam devolução de 38M à ADSE

A Associação Portuguesa de Hospitalização Privada (APHP) diz desconhecer o parecer da PGR favorável à devolução de 38 milhões ao sistema de saúde da função pública (ADSE), contestam esta posição e vão convocar com urgência uma Assembleia Geral.

Governo quer rever condições de acesso ao ensino doméstico

Uma proposta de portaria pretende apertar as regras de frequência para inscrições no ensino doméstico. O número de alunos nesta situação tem vindo a aumentar mas agora o Governo quer rever as condições de acesso.

Governo aprova projetos de expansão dos metros de Porto e Lisboa

O Conselho de Ministros aprovou hoje os projetos de expansão dos metros de Lisboa e do Porto, que em conjunto representam um investimento de 517 milhões de euros, 190 milhões dos quais comparticipados com fundos europeus, segundo o Governo.

Atenção: este é um espaço público e moderado. Não forneça os seus dados pessoais (como telefone ou morada) nem utilize linguagem imprópria.